Obrigações Procura por OTRV superou os dois mil milhões

Procura por OTRV superou os dois mil milhões

Houve mais de 90 mil investidores que deram ordens de subscrição na emissão de obrigações para o retalho, que permitiu ao IGCP financiar-se em 1.500 milhões de euros. Apenas no primeiro dia, a procura superou os mil milhões.
Procura por OTRV superou os dois mil milhões
Pedro Elias
Patrícia Abreu 28 de Novembro de 2016 às 16:51

As obrigações para o retalho continuam a atrair cada vez mais interesse por parte dos portugueses. A procura pela nova série de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV), cujo prazo de subscrição terminou na semana passada, superou os dois mil milhões de euros. E tal como tinha acontecido na operação de Agosto, o número de investidores a participar na operação voltou a aumentar. Foram mais de 90 mil os investidores que deram ordens de subscrição.

As ordens de subscrição ascenderam a 2,05 mil milhões de euros, um valor que superou em 1,36 vezes a procura e que ficou acima dos 1,84 mil milhões registados na emissão de Agosto, segundo dados divulgados pela Euronext Lisbon. Segundo o mesmo comunicado, mais de metade das ordens foram dadas no início da operação. Apenas no primeiro dia, a procura superou os mil milhões de euros (1.085,5 milhões de euros).

Na operação participaram 90.370 investidores, acima dos 65.179 investidores que deram ordens de subscrição na emissão de obrigações para o retalho anterior. A maior parte das ordens foi, porém, dada para valores até 20 mil euros (86,3%), sendo que 12,9% das ordens foi para valores entre 20 e 50 mil euros e só 0,7% para montantes superiores a 50 mil euros.

A forte procura por este tipo de produtos levou a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) a aumentar de 500 para 1.500 milhões de euros o valor da emissão, cujos títulos serão liquidados e admitidos à negociação a 30 de Novembro.

Tal como se esperava, como a procura superou o valor que o Tesouro português estava a emitir foi necessário haver rateio. O montante atribuído através de rateio, que que deu prioridade à data da ordem de subscrição, superou os 137,8 milhões de euros, sendo que 4,1 milhões de euros foram atribuídos através de sorteio.

"Após os dados apurados, verificou-se que 94% da emissão ‘OTRV NOVEMBRO 2021’ ficou nas mãos de investidores portugueses, ou seja cerca de 90 mil investidores, enquanto os restantes 6% foram adquiridos por investidores estrangeiros residentes em Portugal, destacando-se as nacionalidades francesa, suíça, angolana e alemã", adianta a Euronext Lisbon, adiantando ainda que "o valor médio aplicado relativo às ordens inseridas rondou os 16 mil euros".

Trata-se de mais um recorde. Segundo o comunicado da gestora da bolsa de Lisboa, foram processadas cerca de 92 mil ordens válidas durante esta operação que decorreu entre os dias 14 e 25 de Novembro.

Esta série de OTRV, que expira em Novembro de 2021, paga um juro semestral variável e igual à Euribor a 6 meses acrescida de 2%. Com a Euribor em valores negativos, a taxa de juro será de 2%.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 5 dias


Os ladrões de esquerda

PS LADRÃO, em ação (sempre a roubar os trabalhadores do privado).

COSTA LADRÃO aumenta impostos, aumenta dívida, aumenta despesa com salários e pensões da FP… e corta em tudo o resto!

comentários mais recentes
Anónimo Há 4 dias

estes pseudos investidores ainda n perceberam se houver reestruturação da divida este investidores sao os 1.s a levar no pêlo. g burros c papas e bolos, se enganam os tolos

Anónimo Há 5 dias


Os ladrões de esquerda

PS LADRÃO, em ação (sempre a roubar os trabalhadores do privado).

COSTA LADRÃO aumenta impostos, aumenta dívida, aumenta despesa com salários e pensões da FP… e corta em tudo o resto!

pub