Bolsa PSI-20 cai pela segunda sessão com BCP e JM a pressionar

PSI-20 cai pela segunda sessão com BCP e JM a pressionar

A bolsa nacional negoceia em terreno negativo pela segunda sessão consecutiva, acompanhando o pessimismo das congéneres europeias, em mais um dia em que os resultados das empresas marcam o passo.
Rita Faria 26 de Outubro de 2016 às 08:16

A bolsa nacional está a negociar em terreno negativo pela segunda sessão consecutiva esta quarta-feira, 26 de Outubro, com o PSI-20 a descer 0,28% para 4.697,61 pontos. Das 18 cotadas que formam o principal índice nacional, 11 estão em queda e sete em alta.

Na Europa, a tendência é igualmente negativa, com os principais índices a prolongarem o pessimismo da sessão norte-americana. Esta quinta-feira, os investidores continuam atentos aos resultados das empresas, como o Lloyds, que anunciou esta manhã uma queda de 15% dos lucros.  

No plano nacional, o BCP e a Jerónimo Martins são as cotadas que mais penalizam o PSI-20. Na terceira sessão após a fusão de acções, o banco liderado por Nuno Amado desce 1,26% para 1,287 euros. Já a retalhista desvaloriza 0,94% para 15,79 euros, depois de o Berenberg ter cortado a recomendação para as acções de "comprar" para "manter". 

A contribuir para a descida do PSI-20 está também a Galp Energia, que recua 0,47% para 12,69 euros, acompanhando a descida dos preços do petróleo nos mercados internacionais. O ouro negro cai, nesta altura, mais de 1%, com a perspectiva de subida das reservas nos Estados Unidos. A petrolífera portuguesa apresenta os seus resultados esta sexta-feira, e os analistas do CaixaBI antecipam que o resultado líquido terá recuado para os 350 milhões de euros nos primeiros nove meses de 2016, uma queda de 43%.

Ainda na energia, a EDP Renováveis desliza 0,34% para 6,951 euros e a EDP sobe 0,56% para 3,026 euros, depois de ter anunciado ontem a venda de 100 milhões de euros do défice tarifário deste ano.

O BPI, que apresenta os seus resultados trimestrais após o fecho do mercado, sobe 0,09% para 1,13 euros. Os analistas do CaixaBI antecipam que o banco liderado por Fernando Ulrich terá fechado o terceiro trimestre deste ano com um resultado líquido consolidado de 58,5 milhões de euros, uma queda de 21,9% face ao período homólogo. 

Fora do PSI-20, a Impresa afunda 4,89% para 21,4 cêntimos, depois de ter anunciado que fechou os primeiros nove meses do ano com prejuízos de 585 mil euros, um resultado que compara com lucros de 1 milhão de euros registados no mesmo período do ano passado.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Sapateiro da Brandoa Há 1 semana

dica:Bcp
comprar e ficar quieto
e mais não digo

Anónimo Há 1 semana

curoka estás bem enterrado na tua impresa que não paravas de publicitar aqui. Aquilo ontem apresentou prejuízos e até conseguiu aumentar a dívida. Grande potencial realmente. Não vendas não...

pub