Bolsa PSI-20 cai pela terceira sessão com Galp e Nos a descer mais de 1%

PSI-20 cai pela terceira sessão com Galp e Nos a descer mais de 1%

A bolsa nacional está a cair pela terceira sessão consecutiva, em linha com as principais praças europeias. Só o Footsie escapa às desvalorizações, num dia em que já atingiu um novo máximo histórico.
PSI-20 cai pela terceira sessão com Galp e Nos a descer mais de 1%
Bruno Simão/Negócios
Rita Faria 09 de Janeiro de 2017 às 12:39

A bolsa nacional segue em terreno negativo esta segunda-feira, 9 de Janeiro, pela terceira sessão consecutiva, com o PSI-20 a descer 0,51% para 4.679,21 pontos. A Nos e a Galp Energia são as empresas que mais penalizam o principal índice nacional, numa altura em que 14 cotadas estão em queda e quatro em alta.

Lisboa acompanha, desta forma, a tendência negativa das principais praças europeias, que estão a ser penalizadas pelos sectores da banca, telecomunicações e imobiliário. Em queda pela segunda sessão consecutiva, o índice de referência para a Europa, o Stoxx600, cai 0,54% para 363,47 pontos.

A única excepção é o londrino Footsie que valoriza pela décima sessão consecutiva, tendo já atingido um novo máximo histórico nos 7.239,26 pontos.

No plano nacional, a Nos desvaloriza 1,02% para 5,345 euros e a Galp Energia recua 1,08% para 14,25 euros, numa altura em que o petróleo perde quase 2% nos mercados internacionais.

Entre as restantes cotadas da energia, a EDP ganha 0,07% para 2,806 euros, a EDP Renováveis sobe 0,13% para 5,934 euros e a REN desce 0,71% para 2,645 euros.

A contribuir para a descida do PSI-20 estão ainda o BCP, a Sonae e os CTT. A empresa de correios desvaloriza 1,25% para 6,537 euros, a retalhista perde 0,81% para 85,2 cêntimos e o banco liderado por Nuno Amado desliza 0,78% para 1,047 euros. Ainda no sector da banca, o BPI cai 0,18% para 1,128 euros, depois de o CaixaBI ter emitido uma nota de research onde subiu a recomendação do banco de "neutral" para "acumular" e o preço-alvo de 1,20 euros para 1,30 euros. 

Por outro lado, a evitar uma maior descida do PSI-20 está sobretudo a Jerónimo Martins. As acções da retalhista sobem 0,32% para 15,86 euros, no dia em que o HSBC emitiu uma nota de análise onde mantém o preço-alvo da Jerónimo Martins em 16 euros e a recomendação em "manter", considerando que as acções já negoceiam com um "prémio significativo" face ao sector.

O HSBC estima que a Jerónimo Martins tenha registado um "forte trimestre" nos últimos três meses de 2016, com uma "aceleração" nas vendas comparáveis na Polónia e uma "boa resiliência" em Portugal.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
ABCDEF1 Há 6 dias

Amaldiçoados sejamos motas e os engiles. Que a minha maldição recaia sobre eles.

economista Há 6 dias

APOSTAS PARA AMANHA, NAVIGATOR MOTA ENGIL ALTRI, SEMAPA, SONAE SGPS BCP, QUEDAS, EDP, J.MARTINS CORTICEIRA AMORIM.

Francisco Há 6 dias

É o Brexit que só vai trazer miséria aos britânicos.

investidor Há 6 dias

PS-18, tudo indica , que a nossa bolsa vai recuperar bem em 2017. indicações técnicas apontam para uma recuperação, os pequenos investidores deve investir em Empresas sólidas, com bons dividendos, que é o caso da Navigator,

pub
pub
pub
pub