Bolsa PSI-20 com melhor arranque de ano desde 2009

PSI-20 com melhor arranque de ano desde 2009

A bolsa nacional completou a quarta sessão consecutiva de ganhos e atingiu o valor mais alto desde Novembro de 2015, com três cotadas em máximos.
A carregar o vídeo ...
Rita Faria 04 de janeiro de 2018 às 16:48

Desde 2009 que a bolsa nacional não tinha um arranque de ano tão forte como em 2018. Em apenas três sessões negociadas, o PSI-20 soma uma valorização de 4,35%, a mais expressiva (considerando as primeiras três sessões bolsistas do ano) dos últimos nove anos. É preciso recuar a 2009 para encontrar uma subida superior no mesmo período (5,6%).

Depois de ter avançado 1,51% e 1,25% nos dois primeiros dias de negociação deste ano, a bolsa nacional subiu 1,53% para 5.622,72 pontos – um máximo de Novembro de 2015 - esta quinta-feira, 4 de Janeiro, com apenas cinco cotadas em queda e 13 em alta. Destas, três atingiram máximos de mais de um ano: o BCP, a Sonae e a Mota-Engil.

Na Europa, as acções seguiram o optimismo global, num dia em que os índices japoneses marcaram máximos de mais de 25 anos e Wall Street bateu novos recordes.

A subir pela segunda sessão consecutiva, o índice de referência para a Europa, o Stoxx600, soma 0,9% para 393,74 pontos, um máximo de quase dois meses, impulsionado sobretudo pelas cotadas da construção, indústria automóvel e banca.

É precisamente do sector financeiro a cotada portuguesa que mais contribuiu para a subida do PSI-20: o BCP disparou 3,83% para 29,85 cêntimos, depois de ter chegado a negociar em 29,99 cêntimos, o valor mais elevado desde Junho de 2016.

Máximos atingiu também a Sonae ao negociar em 1,197 euros – a cotação mais elevada desde Agosto de 2015 - antes de aliviar para 1,19 euros, com uma subida de 1,19% no fecho da sessão.

Ainda neste sector, a Jerónimo Martins disparou 4,10% para 16,995 euros, a beneficiar de uma nota de análise do BPI, em que os analistas antecipam que a retalhista terá fechado o ano de 2017 com receitas de 16,21 mil milhões de euros, um valor que traduz um crescimento de 11% face ao ano anterior.

Além da Sonae e do BCP, também a Mota-Engil tocou em máximos, no caso, de Novembro de 2014. Os títulos da construtora subiram 1,63% para 4,065 euros, depois de terem chegado a cotar em 4,175 euros, com uma valorização de 4,38%.

A contribuir para a subida do PSI-20 estiveram também a EDP e a Galp Energia. A eléctrica comandada por António Mexia ganhou 1,02% para 2,974 euros, enquanto a petrolífera valorizou 1,15% para 15,90 euros. Ainda na energia, a EDP Renováveis desceu 0,07% para 6,78 euros e a REN somou 0,81% para 2,504 euros.

 

As cotadas do sector da pasta e do papel valorizaram todas mais de 1%: a Altri ganhou 1,13% para 5,37 euros, a Semapa 1,57% para 18,14 euros e a Navigator 1,08% para 4,49 euros.

 

Além da EDP Renováveis, fecharam com sinal vermelho a Pharol, a Ibersol, a Corticeira Amorim e os CTT. 


(Notícia actualizada às 16:51)