Bolsa PSI-20 em queda ligeira pressionado por JM e Nos

PSI-20 em queda ligeira pressionado por JM e Nos

A bolsa de Lisboa arrancou a sessão desta quarta-feira no vermelho, penalizada pela Jerónimo Martins e Nos. O Montepio, cujas unidades de participação podem sair de bolsa, está para já sem negociar.
PSI-20 em queda ligeira pressionado por JM e Nos
Miguel Baltazar
Ana Laranjeiro 05 de julho de 2017 às 08:17

A bolsa de Lisboa está a negociar em queda, em linha com as congéneres europeias. O PSI-20 desce 0,20% para 5.170,82 pontos, com 11 cotadas em queda, quatro em alta e quatro inalteradas. No índice lisboeta destaque para os títulos da Jerónimo Martins, que são dois dos que mais pressionam.

No retalho, a Jerónimo Martins recua 0,73% para 16,93 euros. E a Sonae segue inalterada nos 95,6 cêntimos. A Nos desvaloriza 0,76% para 5,213 euros.


No sector energético, a EDP, depois de ontem ter negado estar a negociar uma fusão com a Gas Natural, está a aliviar dos ganhos recentes e perde 0,76% para 2,879 euros. A EDP Renováveis desliza 0,09% para 6,994 euros e a REN cede 0,11% para 2,70 euros. A Galp Energia desce 0,33% para 13,41 euros, isto numa altura em que os preços do petróleo estão a cair nos mercados internacionais.


No sector da pasta e do papel, a sessão arrancou também no vermelho, com a Semapa a deslizar 0,03% para 16,97 euros, a Navigator cai 0,57% para 3,672 euros e a Altri perde 0,49% para 4,056 euros.


O BCP regista uma subida ligeira de 0,04% para 24,21 cêntimos. Já o Montepio abriu inalterado face à cotação de fecho de ontem (49,7 cêntimos) de acordo com a Bloomberg, isto depois de ontem ter sido anunciado que o Montepio vai sair de bolsa.

O passo é dado através de uma oferta pública de aquisição (OPA) lançada pela Associação Mutualista Montepio Geral sobre o fundo de participação da caixa económica. A operação está avaliada em mais de 100 milhões de euros, já que a oferente paga um euro por cada título. A informação consta do anúncio preliminar da OPA, enviado esta terça-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).


Entre as restantes praças o sentimento é de perdas, numa altura em que os investidores aguardam que a Reserva Federal norte-americana divulgue as actas relativas à reunião de política monetária que decorreu nos dias 13 e 14 de Junho. Além disso, o dia vai ser marcado pela divulgação de novos indicadores económicos, como é o caso das vendas a retalho na Zona Euro.