Bolsa PSI-20 escapa às perdas na Europa com ajuda do BCP e Galp

PSI-20 escapa às perdas na Europa com ajuda do BCP e Galp

A bolsa nacional encerrou com sinal positivo, recuperando de três sessões de perdas, animada pela subida de 1% do BCP e de quase 0,5% da Galp. Na Europa, a tendência é maioritariamente negativa.
PSI-20 escapa às perdas na Europa com ajuda do BCP e Galp
Miguel Baltazar/Negócios
Rita Faria 30 de junho de 2017 às 16:46

A bolsa nacional encerrou em alta ligeira esta sexta-feira, 30 de Junho, após três sessões consecutivas de perdas que levaram o principal índice nacional para mínimos de seis semanas. Com dez cotadas em alta, sete em queda e duas inalteradas, o PSI-20 ganhou 0,22% para 5.152,96 pontos.

 

Na Europa, os principais índices negoceiam com sinal vermelho, no fecho de uma semana marcada pelas dúvidas sobre o início da retirada dos estímulos pelo Banco central Europeu. Depois de, na segunda-feira, Mario Draghi ter garantido que os factores que pesam sobre a inflação são "temporários", o Eurostat revelou, esta sexta-feira, que o crescimento dos preços na Zona Euro desacelerou no mês passado para 1,3%.

 

O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, desce 0,27% para 379,64 pontos, o que corresponde a um mínimo de 24 de Abril. Além da praça portuguesa, só a bolsa de Atenas fechou com sinal positivo.

 

A penalizar a Europa estão sobretudo as cotadas da banca e do sector químico, com destaque para a Bayer, que desvaloriza mais de 4%, depois de ter anunciado que vai rever em baixa as estimativas de resultados para este ano.

 

Por cá, o BCP e a Galp Energia foram as cotadas que mais animaram o PSI-20. O banco liderado por Nuno Amado subiu 1,07% para 23,57 cêntimos, enquanto a Galp valorizou 0,38% para 13,255 euros.

A contribuir para a tendência positiva estiveram também a Sonae e a Navigator. A retalhista dona dos supermercados Continente avançou 0,72% para 97,4 cêntimos, enquanto a Navigator somou 0,61% para 3,781 euros, depois de o CaixaBI ter subido o preço-alvo para as acções para 4,90 euros para incorporar as estimativas mais optimistas para os preços da pasta, que já subiram 25% desde o início do ano. A recomendação manteve-se em "comprar".

 

A Altri, por seu lado, travou maiores ganhos do PSI-20, com uma descida de 2,02% para 4,036 euros, a reflectir o corte de quase 13% na sua avaliação por parte do Haitong, que fixou o preço-alvo para as acções em 4,70 euros.

 

"Apesar dos preços da pasta de papel estarem mais altos do que antecipávamos na última nota (de Abril), não vemos este fortalecimento como sustentável" por muito mais tempo, salienta o analista Nuno Estácio num "research" publicado esta sexta-feira, 30 de Junho.


(Notícia actualizada às 16:57)