Bolsa PSI-20 fecha pouco abaixo da linha de água em dia de quedas na Europa

PSI-20 fecha pouco abaixo da linha de água em dia de quedas na Europa

A bolsa nacional foi a que menos desceu na Europa, numa sessão marcada pelos receios em torno de Espanha. Por cá, a Nos e a Pharol foram as cotadas que mais pressionaram.
A carregar o vídeo ...
Rita Faria 19 de outubro de 2017 às 16:43

O dia é de perdas nos mercados accionistas da Europa. E Lisboa, por pouco, não foi excepção. O PSI-20 fechou a sessão desta quinta-feira, 19 de Outubro, a descer 0,02% para 5.460,35 pontos, com nove cotadas em queda, oito em alta e uma inalterada.

 

Na Europa, todos os índices seguem no vermelho, a reflectir os receios em torno da situação em Espanha, onde o Governo central se prepara para suspender a autonomia da Catalunha.

 

Num comunicado divulgado esta manhã, o Executivo liderado por Mariano Rajoy revelou que reunirá em conselho de ministros no próximo sábado para dar seguimento ao artigo 155 que estabelece a possibilidade de suspender o autogoverno da Catalunha a fim de restabelecer o "interesse geral" na região, tal como estabelece o disposto constitucional. 

 

A seguir à bolsa de Atenas, que desvalorizou 1,67%, Madrid foi a praça que mais caiu, com um recuo de 0,77%. O índice de referência para a Europa, que agrega as maiores empresas do Velho Continente, regista a maior descida desde Agosto, perdendo, nesta altura, 0,62% para 389,13 pontos.

 

Em Lisboa, a Pharol e a Nos foram as empresas que mais penalizaram. A antiga PT SGPS deslizou 5,52% para 46,2 cêntimos enquanto a Nos caiu 0,82% para 5,296 euros. O Haitong antecipa que a operadora – que apresenta resultados a 8 de Novembro - terá fechado os primeiros nove meses deste ano com lucros de 106,5 milhões de euros, o que representa uma subida de 35,8% face ao resultado líquido de 78,4 milhões registado no mesmo período do ano passado.

 

A penalizar estiveram também a Corticeira Amorim, com uma desvalorização de 1,35% para 11,72 euros, e a Mota-Engil, que perdeu 1,13% para 3,25 euros.

Pelo contrário, a evitar maiores perdas em Lisboa estiveram as cotadas do sector da energia, com destaque para a Galp. A petrolífera subiu 0,77% para 15,725 euros, um dia depois de o Haitong ter antecipado que os lucros da empresa nos primeiros nove meses terão subido 17% para 421,1 milhões de euros.

 

A REN subiu 0,22% para 2,682 euros, a EDP Renováveis ganhou 0,78% para 7,081 euros e a EDP valorizou 0,20% para 3,02 euros. Num relatório divulgado esta quinta-feira, a Moody’s considerou que a eléctrica conseguirá absorver o impacto negativo das tarifas de electricidade para o mercado regulado em 2018 anunciadas recentemente pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).