Bolsa PSI-20 sobe pela quinta sessão com Mota-Engil a disparar 3,5%

PSI-20 sobe pela quinta sessão com Mota-Engil a disparar 3,5%

A bolsa nacional acompanha o optimismo das congéneres europeias, com a construtora a beneficiar dos novos contratos assinados em África.
A carregar o vídeo ...
Rita Faria 27 de setembro de 2017 às 08:22

A bolsa nacional está a negociar em terreno positivo esta quarta-feira, 27 de Setembro, pela quinta sessão consecutiva, com o PSI-20 a ganhar 0,17% para 5.325,73 pontos.

Na Europa, a tendência é igualmente positiva, num dia em que os investidores estarão atentos à apresentação do Orçamento de França para 2018 e as perspectivas para as contas públicas nos próximos cinco anos, e ainda ao tão aguardado plano de reforma fiscal nos Estados Unidos, que deverá ser conhecido esta quarta-feira.  

Na bolsa nacional, os ganhos estão a ser impulsionados sobretudo pela Mota-Engil, que dispara 3,52% para 2,999 euros, a beneficiar do anúncio de novos contratos em Angola e Moçambique no valor de cerca de 437 milhões de euros ao câmbio actual.

A contribuir para a subida do índice nacional estão também o BCP, que ganha 0,48% para 23,15 cêntimos, os CTT, com um avanço de 0,51% para 5,118 euros, e a Jerónimo Martins, que sobe 16,535 euros. Isto no dia em que a empresa, dona do Pingo Doce, vai inaugurar o maior centro logístico do grupo em Alfena, Valongo, um investimento de 75 milhões de euros.

Na energia, a EDP desce 0,03% para 3,213 euros, a EDP Renováveis ganha 0,01% para 7,199 euros e a Galp recua 0,6% para 14,98 euros, depois de ter negociado em máximos de 2011 na sessão de ontem.

A petrolífera, que tem beneficiado da subida dos preços da matéria-prima nos mercados internacionais, voltou a ser a maior cotada em Lisboa, devido aos ganhos recentes. A petrolífera é uma das 32 companhias inscritas na ronda de  leilões para atribuição de blocos para exploração de petróleo e de gás natural que vai ter lugar esta quarta-feira no Brasil.

Além da Galp Energia e da EDP só a Sonae negoceia com sinal negativo, nesta altura, com uma desvalorização ligeira de 0,10% para 1,00 euro.