Bolsa Quarteto de Wall Street em recordes com petróleo e reforma fiscal de Trump

Quarteto de Wall Street em recordes com petróleo e reforma fiscal de Trump

As principais bolsas do outro lado do Atlântico fecharam a marcar novos máximos históricos, impulsionadas pela valorização dos preços do petróleo e pelas declarações de Trump sobre o seu plano "fenomenal" de reforma do IRC nas próximas "duas ou três semanas".
Quarteto de Wall Street em recordes com petróleo e reforma fiscal de Trump
Reuters
Carla Pedro 10 de fevereiro de 2017 às 22:16

O índice industrial Dow Jones fechou a valorizar 0,48% para 20.269,37 pontos, que é um máximo de fecho, tendo na negociação intradiária chegado a marcar o valor mais elevado de sempre, nos 20.298,21 pontos – naquele que foi o terceiro dia consecutivo a marcar recordes.

 

Também o Standard & Poor’s 500 estabeleceu novos máximos históricos, pela segunda sessão seguida, ao alcançar a meio da sessão os 2.319,23 pontos. No fecho, fixou-se nos 2.316,47 pontos, a somar 0,40%

 

O índice tecnológico Nasdaq Composite acompanhou a tendência, terminando a subir 0,33% para 5.734,12 pontos, após estabelecer durante a sessão o valor mais alto de sempre – nos 5.743,43 pontos.

 

A "juntar-se à festa" esteve o Russell 2000,índice que agrega as principais "small caps" [empresas com baixas capitalizações bolsistas, que estão de novo a beneficiar da especulação de que as políticas de Trump "viradas para dentro" irão favorecer as companhias mais focalizadas no mercado interno], que fechou a subir 0,75% para 1.388,84 pontos, atingindo no intraday os 1.391,18 pontos, um novo máximo histórico – algo que não acontecia desde Dezembro passado, quando acompanhou os seus "parceiros" na onda de subidas e sucessivos recordes.

 

A ajudar ao movimento positivo estiveram as declarações do presidente Donald Trump, que ontem prometeu para "daqui a duas ou três semanas" uma reforma fiscal para as empresas, que garante que será "fenomenal".

 

Tal como na quinta-feira, também a valorização dos preços do petróleo contribuiu para esta subida das bolsas do outro lado do Atlântico, dado que impulsionou os títulos ligados à energia.

 

Depois de ter fortalecido com o anúncio feito ontem de uma queda inesperada das reservas norte-americanas de gasolina, hoje o "ouro negro" prosseguiu em alta, animado pelo facto de a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) estar a cumprir quase totalmente (90%) o corte de produção prometido, de acordo com as informações veiculadas pela Agência Internacional da Energia.

 

A revelar um lado mais anémico esteve o sector financeiro, que no entanto registou ganhos agregados momentaneamente, quando se soube que o principal "guardião" da banca tinha anunciado a sua demissão.

 

Daniel Tarullo, membro do conselho de governadores da Reserva Federal dos Estados Unidos, anunciou a sua demissão do cargo ao fim de oito anos e com efeitos a 5 de Abril. Tarullo tinha a seu cargo a supervisão dos grandes bancos norte-americanos, num mandato que só terminaria em 31 de Janeiro de 2022.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Afinal o Trump ja fez mais trabalho positivo em 2 semanas do que o Obama em 8 anos; por isso a oposicao < os media> se sentem tao frustrados, e continuam a atacar sem piedade!!!!

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Afinal o Trump ja fez mais trabalho positivo em 2 semanas do que o Obama em 8 anos; por isso a oposicao < os media> se sentem tao frustrados, e continuam a atacar sem piedade!!!!

Anónimo Há 2 semanas

Parece-me que qualquer dia vai dar um estoiro tremendo, sempre ouvi dizer que as árvores não crescem até ao céu.

pub
pub
pub
pub