Investidor Privado Quatro armas utilizadas pelos bancos para conquistar o crédito da casa

Quatro armas utilizadas pelos bancos para conquistar o crédito da casa

Depois da "guerra dos spreads", os bancos nacionais têm vindo a introduzir novas armas para lutar pelo empréstimo dos clientes. Saiba o que estão a oferecer as instituições financeiras.
Quatro armas utilizadas pelos bancos para conquistar o crédito da casa
Miguel Baltazar/Negócios
Raquel Godinho 24 de Outubro de 2016 às 12:00
• Transferências com condições vantajosas

O Bankinter deu, na semana passada, destaque ao tema das transferências do crédito à habitação. Lançou uma campanha onde se compromete a suportar os custos das mesmas até 1,25% do capital transferido. Mas o banco liderado por Carlos Brandão não é o único. Outras três instituições financeiras nacionais oferecem condições vantajosas a quem quiser trocar o financiamento. O Popular avança com "a oferta das comissões de início de processo e a ajuda na liquidação do processo anterior", pode ler-se no site. Já o BIC publicita uma redução de 50% na comissão de processo para clientes com idade entre os 18 e os 34 anos, ou com Conta BIC Mais. E o Deutsche Bank oferece aos seus clientes a possibilidade de carência de capital até 36 meses ou a modalidade de valor residual até 35%, sendo que, neste caso, transferem esta percentagem do valor financiado para o final do prazo. 

1,25%
Despesas
O Bankinter compromete-se a suportar os custos da transferência até 1,25% do capital transferido.


• Troca de imóvel também pode ser facilitada

Nem só de transferência do crédito à habitação se tem falado nos últimos meses. O Novo Banco, por exemplo, quer manter os empréstimos que tem em carteira. Mesmo dos clientes que pretendam mudar de casa. Aos clientes que procurem um imóvel maior, que tenham mudado de cidade ou que estejam noutras situações familiares que exijam uma casa diferente, o banco liderado por António Ramalho oferece condições vantajosas para não os perder. Oferece um "spread" de 1,50% que é inferior à margem mínima de 1,75% que tem actualmente no seu preçário. E, se o cliente escolher um dos imóveis que o banco tem no balanço, a taxa de juro pode ser ainda mais baixa: 1,25%. Além disso, fruto da sua maior aposta no crédito à habitação, o banco compromete-se a responder às propostas em 24 horas. E permite aos clientes acompanharem todas as fases do processo online. 

1,50%
"spread"
O Novo Banco oferece uma taxa de juro de 1,50% aos clientes que queiram trocar de casa.


• Encargos iniciais mais baixos

Dois dos maiores bancos nacionais também entram na competição pelo crédito à habitação. De formas diferentes, BCP e Santander Totta prometem aos seus clientes encargos iniciais baixos. Até 31 de Dezembro, o banco liderado por Nuno Amado pretende seduzir os seus clientes com prestações mais reduzidas nos primeiros meses do financiamento. Ou seja, durante três ou seis meses, os clientes não pagam a componente de juros nas suas prestações, até um valor máximo acumulado de dois mil euros. E destas condições podem beneficiar tanto os clientes que optem pela taxa variável como aqueles que escolham taxa fixa. Já o Santander Totta oferece uma taxa promocional de 1,23% nos primeiros seis meses do financiamento, sendo que o "spread" será depois determinado de acordo com as características do cliente e do financiamento. Além disso, financia até 85% da avaliação. 

1,23%
Taxa de juro
O Santander Totta oferece uma taxa de juro promocional de 1,23% nos primeiros seis meses do crédito.


• Comissões do crédito mais baixas

As comissões são uma componente importante do financiamento. Os clientes são confrontados com despesas iniciais relativas à abertura do processo, com despesas recorrentes como podem ser as comissões de processamento da prestação e ainda com encargos finais. Por isso, as comissões são também uma arma para conquistar os clientes que procurem crédito. O Montepio, por exemplo, oferece aos clientes que assinarem o financiamento até 31 de Dezembro a isenção do custo de avaliação do imóvel, aliada a uma redução de até 0,7% do "spread" fruto da subscrição de vários produtos. Já o BIC, que cortou recentemente a sua margem mínima para 1,75% e desafiou os grandes bancos nacionais, oferece uma redução de 50% na comissão de processo para os clientes com idade entre os 18 e os 34 anos ou com Conta BIC Mais ou uma redução de 75% desta comissão aos clientes "premium". 

50%
Redução
O BIC oferece aos clientes que tenham até 34 anos uma redução de 50% na comissão de processo.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub