Bolsa Queda da EDP leva PSI-20 a perder cotadas avaliadas em mais de dez mil milhões

Queda da EDP leva PSI-20 a perder cotadas avaliadas em mais de dez mil milhões

A EDP era a única cotada nacional a aguentar uma avaliação acima de dez mil milhões de euros. Mas passou abaixo desse patamar. Desde o início de Julho que houve sempre pelo menos uma empresa da bolsa portuguesa avaliada acima daquela fasquia.
Queda da EDP leva PSI-20 a perder cotadas avaliadas em mais de dez mil milhões
Miguel Baltazar/Negócios
Rui Barroso 10 de Novembro de 2016 às 18:02

Há um mês a bolsa nacional registou um factor que já não acontecia desde a crise financeira. Teve em simultâneo três cotadas avaliadas em mais de dez mil milhões de euros (EDP, Galp e Jerónimo Martins). Mas as quedas das últimas semanas levaram a que, aos valores de fecho desta sessão, nenhuma empresa da bolsa nacional seja avaliada pelo mercado acima daquela fasquia, o que ocorre pela primeira vez desde o início de Julho, altura em que os mercados passavam pela ressaca do referendo do Brexit.

A EDP era a única resistente acima do patamar de dez mil milhões. No entanto, a descida acumulada de 7,88% nas duas últimas sessões, a que corresponder a perda de 624,85 milhões de euros de capitalização bolsista, levou a eléctrica a passar abaixo do patamar de dez mil milhões de euros. A eléctrica liderada por António Mexia está agora avaliada em 9.869 milhões de euros, de acordo com a Bloomberg.


Já a Galp tinha passado abaixo da fasquia de dez mil milhões de euros no início de Novembro. Disputa de perto a liderança de mais valiosa da bolsa portuguesa com a EDP. A petrolífera está avaliada em 9.856 milhões de euros, segundo dados da Bloomberg.

A Jerónimo Martins também já esteve avaliada pelo mercado em mais de dez mil milhões de euros recentemente. No entanto, a capitalização bolsista da retalhista passou abaixo daquela marca a 25 de Outubro. A dona do Pingo Doce, aos actuais preços de mercado, está avaliada em 9.487 milhões de euros.

O tamanho das empresas é algo que pode ser importante para algumas gestoras de activos, que têm restrições de mandato relacionadas com a capitalização bolsista. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

O QUE TEM DE ACABAR RAPIDAMENTE SÃO OS SALÁRIOS TRILIONARIOS DESTA CORJA DA EDP.

Burro Há 3 semanas

Esperemos que o Trump acabe com esta mama maryconera, do verde e do ambiente. Pagar caríssimo as ventoinhas, para este FdP se rir, como sempre faz quando lhe apontam um câmara.

Pedro Fernandes Há 3 semanas

e vais mais abaixo quando o trump terminar o contrato convosco

pub
pub
pub
pub