Bolsa Queda do BCP leva PSI-20 a acompanhar descidas na Europa

Queda do BCP leva PSI-20 a acompanhar descidas na Europa

A bolsa nacional encerrou no vermelho, penalizado sobretudo pela descida superior a 2% do BCP e pela desvalorização da Jerónimo Martins e Galp Energia. Na Europa, o dia também é de perdas.
Queda do BCP leva PSI-20 a acompanhar descidas na Europa
Bruno Simão/Negócios
Rita Faria 19 de dezembro de 2016 às 16:47

Depois de ter estado em terreno positivo durante grande parte da sessão, a bolsa nacional acabou por encerrar no vermelho esta segunda-feira, 19 de Dezembro, com o PSI-20 a descer 0,17% para 4.620,04 pontos. O BCP foi a cotada que mais penalizou o principal índice nacional, numa sessão em que oito cotadas fecharam em alta, oito em queda e duas inalteradas.

 

Na Europa, os principais índices também seguem no vermelho, numa sessão que está a ser marcada pela baixa volatilidade, devido à aproximação das festividades do final do ano.

 

Depois de ter atingido máximos de Janeiro na última sessão, o índice de referência para a Europa, o Stoxx600, cai 0,12% para 359,58 pontos, penalizado sobretudo pelo sector da banca, que cai 2%. A marcar o dia no sector está a nacionalização do maior banco ucraniano e o arranque do aumento de capital do Monte dei Paschi.  

 

No plano nacional, o BCP desvalorizou 2,34% para 1,1226 euros, no dia em que a assembleia-geral aprovou o aumento do limite de votos para 30%, a última condição para o reforço da posição da Fosun como maior accionista da instituição.

Ainda na banca, o BPI encerrou inalterado em 1,127 euros e o fundo do Montepio perdeu 1,17% para 42,3 cêntimos.

 

A contribuir para a descida do PSI-20 estiveram ainda a Jerónimo Martins e a Galp Energia. A retalhista caiu 2% para 14,465 euros enquanto a Galp recuou 1,56% para 13,90 euros. A petrolífera comunicou esta manhã que vai avançar com o investimento em Moçambique, na área de Coral Sul, relacionado com as descobertas na designada área 4 na bacia do Rovuma.

 

Por outro lado, a evitar uma maior desvalorização da bolsa de Lisboa estiveram o grupo EDP, a REN e a Sonae. A EDP Renováveis ganhou 2,24% para 5,878 euros, a EDP somou 0,91% para 2,88 euros, e a REN valorizou 1,77% para 2,644 euros depois de a empresa ter revelado que chegou a acordo para comprar 42,5% do capital social da Electrogas SA à Enel Generación Chile por 180 milhões de dólares, mais de 172 milhões de euros.

 

A Sonae apreciou 2,24% para 86,8 cêntimos e os CTT subiram 0,62% para 6,334 euros,

 continuando a beneficiar das novidades avançadas na semana passada. A empresa liderada por Francisco Lacerda alienou imóveis situados em Lisboa por um montante total de 25 milhões de euros e anunciou que pretende comprar uma empresa de transportes.  

 

(Notícia actualizada às 16:53)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 19.12.2016


O BURACO ANUAL DA C.G.A CUSTA MAIS CARO… DO QUE O RESGATE DE UM BANCO


O défice orçamental do OE 2017, é de 3016 milhões de Euros...

e o buraco anual das pensões dos ladrões FP / CGA em 2017, é de 4600 milhões de Euros.

CONCLUSÃO: SÓ EXISTE DÉFICE EM 2017, DEVIDO AO BURACO DA CGA!


comentários mais recentes
Anónimo 19.12.2016

Qualquer empresa precisa de ter patrão ou quem o represente bem. Desejo que a fosun e Sanangol controlem bem os empréstimos para que não haja mais surpresas desagradáveis. No caso da CG D o Estado também deve controlar e começar a inspecionar todos executivos que deram o s/ aval aos vigaristas

Anónimo 19.12.2016


O BURACO ANUAL DA C.G.A CUSTA MAIS CARO… DO QUE O RESGATE DE UM BANCO


O défice orçamental do OE 2017, é de 3016 milhões de Euros...

e o buraco anual das pensões dos ladrões FP / CGA em 2017, é de 4600 milhões de Euros.

CONCLUSÃO: SÓ EXISTE DÉFICE EM 2017, DEVIDO AO BURACO DA CGA!


pub