Bolsa Queda do petróleo empurra bolsa nacional para perdas

Queda do petróleo empurra bolsa nacional para perdas

A praça portuguesa acompanhou a tendência negativa do Velho Continente, marcada por mínimos de sete meses nos preços do ouro negro e pelas perdas do sector financeiro.
Queda do petróleo empurra bolsa nacional para perdas
Bruno Simão/Negócios
Paulo Zacarias Gomes 20 de junho de 2017 às 16:41
Depois de dois dias de ganhos, que levaram as negociações a máximos de quase um ano e meio, as transacções na bolsa de Lisboa terminaram com balanço negativo esta terça-feira, 20 de Junho.

A condicionar o PSI-20 - que fechou em queda de 0,61% para 5.298,05 pontos - estiveram os títulos da Galp, penalizados pelo recuo dos preços do petróleo - e do BCP, que não escapou à tendência negativa que pintou o sector financeiro no resto da Europa.

Com 12 títulos a experimentar quedas e sete com ganhos, a energética Galp caiu 2,56% para 13,31 euros, o maior recuo entre os pesos-pesados, numa altura em que o preço do petróleo segue em terreno negativo tanto em Londres como em Nova Iorque, chegando a recuar para mínimos de sete meses a reflectir o aumento de produção de petróleo por parte da Líbia.

A acompanhar as descidas esteve a generalidade dos títulos da energia, com a EDP, a EDP Renováveis e a REN a cederem na ordem dos 0,2%. No sector financeiro o BCP caiu 1,19% para 0,24 euros e o Montepio esteve entre as maiores depreciações, a perder 3,03%. 

Do lado das valorizações estiveram os títulos da Mota-Engil (o maior ganho do índice, de 1,3% para 2,64 euros), da operadora Nos e dos CTT, que assim temperaram as cedências.

As acções europeias também encerraram a sessão do lado das perdas, com as energéticas, as empresas do sector primário e a banca entre as que mais pesaram. No Velho Continente, a excepção às quedas foi a praça grega.

"Estamos a ver o entusiasmo criado pelos cortes da OPEP a desvanecer-se e os investidores a darem mais atenção aos fundamentais e à sobreprodução que temos visto no mercado petrolífero, o que está a criar alguma pressão negativa," disse Jonathan Roy, da Charles Hanover Investments, à Reuters.


Um dia depois do início formal das negociações entre a União Europeia e o Reino Unido para o Brexit, foram as quedas das energéticas e das mineiras a precipitar a bolsa britânica para fechar o dia no vermelho. Apesar de ter registado alguns ganhos ao longo da sessão, depois de o governador do Banco de Inglaterra, Mark Carney, ter defendido a manutenção das taxas de juro nos actuais níveis.

Nos EUA os principais índices acompanham o caminho negativo das pares europeias, depois de ontem o S&P 500 ter registado novos máximos históricos. Os investidores aguardam, no final da semana, por dados da produção industrial e da venda de casas para medirem o desempenho recente da maior economia do mundo.

(Notícia actualizada às 16:51 com mais informação)

A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 5 dias

vai sonhar GLINTT não vale 1 centavo só os BURROS COMPRAR ESSA TRETA

comentários mais recentes
Anónimo Há 5 dias

vai sonhar GLINTT não vale 1 centavo só os BURROS COMPRAR ESSA TRETA

Anónimo Há 5 dias

Já estou enjoado de ouvir falar em glintt... falem de empresas!!!

GLINTT Há 5 dias

A GLINTT corrigiu 10% nos últimos tempos, motivado por mãos fracas e impacientes, mas não por "VENDAS A DESCOBERTO", tem poucas acções no mercado para essas jogadas, portanto vão uns e vem outros com dinheiro.

GLINTT Há 5 dias

A nossa tecnológica GLINTT vai ser a próxima a duplicar, as campeãs de prejuízos já subiram 120% e a GLINTT que dá lucro e já foi alvo de OPA subiu 23%. Pode ser alvo de outra OPA da Farminveste para a tirar da Bolsa. Mas deviam agora pagar 1€ cada acção. Já valeu 5€ em 2004.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub