Bolsa Queda dos preços do petróleo penaliza Wall Street

Queda dos preços do petróleo penaliza Wall Street

As principais bolsas norte-americanas encerraram a última sessão da semana em terreno misto, com o Dow Jones e o S&P 500 a resvalarem ligeiramente e o Nasdaq a conseguir manter-se no verde.
Queda dos preços do petróleo penaliza Wall Street
Reuters
Carla Pedro 27 de janeiro de 2017 às 21:44

O índice industrial Dow Jones, que na quarta-feira atingiu pela primeira vez na sua história de 121 anos o patamar dos 20.000 pontos e que ontem voltou a estabelecer a meio da sessão um máximo histórico, nos 20.125,58 pontos, fechou hoje a recuar 0,04%, para 20.093,78 pontos.

 

O Standard & Poor’s 500 seguiu a mesma tendência, a ceder 0,09% para 2.294,69 pontos.

 

Já o tecnológico Nasdaq Composite – que ontem fechou a ceder algum terreno, depois de na negociação intradiária ter chegado a marcar um novo recorde, ao tocar pela primeira vez nos 5.669,61 pontos – conseguiu manter o terreno positivo da abertura do dia, a ganhar 0,10% para 5.660,78 pontos.

 

 

Apesar de os dados do PIB dos EUA no quarto trimestre mostrarem, como se esperava, uma desaceleração no ritmo de crescimento, as bolsas não reagiram mal, dado que o optimismo dos consumidores e o sólido mercado de trabalho dão boas perspectivas às empresas.

 

 

E têm sido precisamente os resultados das empresas que têm estado a animar Wall Street nas últimas sessões. Esta sexta-feira a tendência acabou por não se manter, mas as oscilações foram muito marginais (tanto de subida como de descida).

 

A pressionar estiveram sobretudo os títulos da energia, numa sessão em que os preços do petróleo caíram nos principais mercados internacionais – numa altura em que os investidores esperam para ver se os maiores produtores estão a cortar na oferta ao mercado, tal como prometeram.

 

Cerca de um terço das cotadas do S&P 500 já reportaram resultados, sendo que 68% delas superaram as estimativas nos lucros. O arranque de anúncios de contas foi, assim, bastante positivo, e está a confirmar que a "recessão dos lucros" terá terminado no terceiro trimestre de 2016, refere o JPMorgan numa nota de "research" citada pela Bloomberg. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
beachboy Há 3 semanas

...lol...
...o petróleo Iraniano vai chegar ao mercado...
...em quantidades crescentes...
...depois falamos...

pub