Bolsa Queda nas acções ou a vitória dos supercomputadores
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Queda nas acções ou a vitória dos supercomputadores

As quedas das últimas sessões foram espoletadas pelos receios em torno da subida da inflação. Contudo, a maior parte dos especialistas acredita que foram essencialmente questões técnicas a justificar este desempenho, mais do que os fundamentais.
Queda nas acções ou a vitória dos supercomputadores
Reuters
Raquel Godinho 06 de fevereiro de 2018 às 23:30

Depois de um arranque de ano de euforia, os investidores parecem querer pôr os pés no chão. Há muito que se antecipava uma correcção nos mercados accionistas, depois de vários meses de subidas significativas )

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

A queda histórica foi o grito de guerra, um histérico grito, do sindicalismo e do neoludismo. O rebound ou recuperação, também histórico, foi a vitória da tecnologia cada vez mais económica e eficiente que poupa grandemente no obsoleto e oneroso factor trabalho defendido pelos primeiros e que não só não cria qualquer valor como se limita a extraí-lo continuadamente dos Estados, das economias e das sociedades por todo o mundo. Nuns lugares mais do que noutros, é certo. E os tugas que cresçam e dêem ouvidos a Bruxelas, à OCDE e ao FMI, flexibilizam e liberalizem mais os mercados... antes que mais uma vez seja tarde demais.

comentários mais recentes
Ao "mais votado anónimo" e seus Votantes : Há 1 semana

Alerta que há tempestade forte pela frente,
e Mostrengos a bombordo e estibordo.
Ponham a nau no rumo certo
e prà frente, a toda a força, rumo ao futuro.

Recordem e ouçam o apelo à luta, à resiliência,
das palavras de um dos nossos Imortais (Pessoa),
também aplicável a qualquer de nós
que segue ao leme dia a dia, nas tempestades das Bolsas :

"Três vezes do leme as mãos ergueu,
Três vezes ao leme as reprendeu,
E disse no fim de tremer três vezes:
Aqui ao leme sou mais do que eu:
Sou um povo que quer o mar que é teu;
E mais que o mostrengo, que me a alma teme
E roda nas trevas do fim do mundo,
Manda a vontade, que me ata ao leme"

Para nós os piores mostrengos são os Bear Markets,
mas que o seu espectro não Vos atemorize:
prá frente com coragem mas com prudência,
são os Votos de quem muitas vezes estando longe,
ainda está convosco no pensamento,
e seguramente na solidariedade.

Prá frente, prá frente rumo ao futuro,
sem tibiezas face a todo e qualquer mostrengo

Aos Votantes do “Anónimo mais Votado” Há 1 semana

Bom dia para Todos.
Se não sois Robôs, votai aqui neste Comentário, a favor do
Vosso grande Manitu,
associando-vos aos Votos
para que a Providência sempre o inspire e ilumine nas suas prováveis altas responsabilidades,
ajudando-o a completar os trabalhos de Hércules que tem pela frente,
nomeadamente a limpeza das cavalariças de Augias
que, como reza a história, há muito que não eram limpas.
Em acréscimo, esconjurando também as maléficas pragas que muitos lhe rogam pelas costas,
entre os quais alguns que,
dizendo-se seus discípulos, vassalos e servos,
aguardam a primeira oportunidade para repetirem o que
Brutus fez ao seu pai adotivo Júlio César :
23 punhaladas pelas costas.

Calorosas Saudações e agora e sempre:
Rigor, Camaradagem, Trabalho, Competência, Dinamismo, Criatividade

Aos interessados no estudo dos Crashes Há 1 semana

Há já software disponível (um deles gratuito e outro usado numa tese de doutoramento, mas de preço acessível) que possibilitam criar mercados artificiais realistas,
com milhões de investidores fictícios competindo como num mercado real.
Infelizmente acabam por não se me afigurarem de grande interesse prático para a criação de novas estratégias de investimento,
embora possam tê-lo para o ensaio final de alguma nova estratégia que venha a ser criada.
Todavia, para fins pedagógicos e para estudo dos aspetos mais interessantes das Bolsas, nomeadamente para análise dos crashes (sem pretensões de os prever com precisão),
reconhece-se o seu possível interesse.

É preciso avisar toda a gente: Crashes, Sismos... Há 1 semana

"É preciso avisar toda a gente
Dar noticia , informar, prevenir"

(canção de Luís Cilia)

Os Mercados de Capitais são sistemas complexos,
normalmente em equilíbrio, como agora se supõe estar a acontecer.
Mas os sistemas complexos
(como também o são a vida na Terra ,
ou o movimento das placas tectónicas),
são dados a processos endógenos de evolução,
que subitamente ocasionam acontecimentos catastróficos :
crashes nos Mercados de Capitais; grandes extinções na Vida na Terra e até agora 5;
ruturas nas placas tectónicas e consequentemente grandes sismos etc..
Portanto, se não há motivo para alarme no tocante às atuais cotações,
não há nem nunca deverá haver afastamento da possibilidade de um crash a qualquer momento.
como, infelizmente, também, da tragédia da repetição a qualquer momento, do sismo de 1755,
que tem uma probabilidade de repetição de 2 em 2 séculos, aproximadamente,
e como uma 6ª grande extinção de vida na Terra, como agora estará a acontecer (Prof. Paul Ehrlich).

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub