Bolsa Quedas superiores a 1,5% da JM e Nos arrastam bolsa

Quedas superiores a 1,5% da JM e Nos arrastam bolsa

A bolsa nacional fechou em queda, à semelhança das congéneres europeias, pressionada pelas descidas superiores a 1,5% da Jerónimo Martins e da Nos.
Sara Antunes 17 de Outubro de 2016 às 16:42
O PSI-20 desceu 0,49% para 4.599,62 pontos, com oito cotadas em queda e 10 em alta. Entre os congéneres europeus a tendência é igualmente de quedas, com os investidores a reflectirem os receios em torno da economia mundial.

A pesar na negociação bolsista está sobretudo o receio em torno da recuperação da economia mundial, assim como a especulação em torno da subida de juros nos EUA por parte da Reserva Federal (Fed), e a política monetária do Banco Central Europeu (BCE), numa semana marcada pela reunião deste último banco central.

 

Ainda esta segunda-feira, 17 de Outubro, a Pimco emitiu uma nota onde considera que as perspectivas para os mercados estão a melhorar, com as estimativas a apontarem para um crescimento da economia e os receios que dominavam o início do ano a dissiparem-se. Mas, as incertezas, sobretudo políticas, e o facto de os preços dos activos estarem em muitos casos esticados, provocam um cenário "estável, mas não seguro". 

 

Na praça lisboeta, destaque para a Jerónimo Martins que desceu 1,60% para 15,96 euros, no dia em que o banco de investimento Haitong emitiu uma análise às medidas do Orçamento do Estado para 2017, considerando que as empresas do sector do retalho são as mais afectadas. Isto porque "terão que pagar o imposto sobre o património e podem também ser afectadas pela redução de vendas dos refrigerantes", devido ao aumento de impostos.

 

Já a Sonae SGPS, dona dos Continentes, terminou a sessão a subir 0,73% para 68,9 cêntimos.

 

A pesar na negociação esteve também a Nos, ao perder 1,68% para 5,791 euros, no dia em que foi alvo de uma nota de análise do BPI, tendo visto a sua avaliação descer de 6,70 euros para 6,40 euros, um valor que, ainda assim, confere às acções da empresa liderada por Miguel Almeida um potencial de subida de 10,5% face à cotação de fecho. A redução do preço-alvo está relacionada com o custo dos conteúdos desportivos.

Na banca, o BCP contrariou e subiu 1,30% para 1,56 cêntimos, no dia em que foi noticiado que o regulador financeiro polaco quer reduzir os encargos dos bancos (entre os quais se encontra o Millennium Bank, detido em 50,1% pelo BCP) na resolução dos problemas dos clientes com créditos à habitação indexados aos créditos suíços.

 

A pesar esteve também a Galp Energia, ao perder 1,52% para 12,285 euros, num dia em que os preços do petróleo voltaram a descer. O barril do Brent, negociado em Londres e de referência para Portugal, está a cair 1,35% para 51,25 dólares. A queda dos preços do ouro negro está relacionada com as novidades vindas dos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP). Apesar de já terem acordado que vão descer a produção, as últimas notícias revelam que há países que continuam a produzir mais. É o caso da Líbia que aumentou a produção de petróleo de 540 mil barris por dia para 560 mil na semana passada.


Ainda no sector da energia, a EDP subiu 0,79% para 2,945 euros, enquanto a EDP Renováveis caiu 0,31% para 6,969 euros. Já a REN apreciou 0,35% para 2,599 euros. O sector energético também foi alvo no Orçamento do Estado para o próximo ano, com o Executivo a manter a CESE. O Haitong considera esta manutenção "neutral", porque antecipa que as energéticas continuem a pagar a taxa extraordinária até 2019. Já a EDP Renováveis beneficia do facto de a CESE não ser alargada para as renováveis, mas o Haitong realça que poderão ainda ser "taxadas" de outra forma.


(Notícia actualizada às 17:11 com mais informação)



A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas



OS CÃES RAIVOSOS DA FP


Os cães raivosos da FP abocanharam tudo e mais alguma coisa nos últimos 40 anos.

Sempre à custa dos trabalhadores do privado, que sustentam a FP e seus pensionistas a pão de ló.


comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas



PAF ROUBA A VIDA A 500.000 TRABALHADORES

Os Portugueses foram obrigados a emigrar devido à bancarrota do tecnofórmio! …

e ao brutal aumento de impostos, ordenado pela PAF, para sustentar os privilégios dos ladrões e seus lacaios pafiosos.

claro que o tecnofórmio, tenta esconder esta realidade

Fanhoso Há 3 semanas

Tinhas razão trader-CUroka que a Corticeira do Amorim era a melhor cotada da bolsa.
Não para de subir, quando começas-te a falar estava nos 5 ou 6 euros.
Vê só o dinheiro e eu que perdemos.
Era um Natal e pêras.

Pedro Lima Hipólito Há 3 semanas

Vai começar a descer mais abruptamente!

NAVIGATOR Há 3 semanas

NAVIGATOR - dividendo 0.61 euros por ação. uma Empresa exportadora, investidora, a mais bem organizada do PS-20, o refugio dos pequenos investidores,

ver mais comentários
pub