Bolsa Relatório de 2016: Bolsa caiu, mas seguir analistas teria dado ganhos

Relatório de 2016: Bolsa caiu, mas seguir analistas teria dado ganhos

Os analistas mostraram-se mais certeiros em 2016. Os investidores que tivessem seguido as suas recomendações poderiam ter conseguido fechar o ano com mais-valias potenciais, num ano em que o PSI-20 protagonizou uma das maiores quedas mundiais.
Relatório de 2016: Bolsa caiu, mas seguir analistas teria dado ganhos
Miguel Baltazar
Patrícia Abreu 06 de julho de 2017 às 08:00

A bolsa portuguesa protagonizou, no último ano, o pior desempenho entre as praças dos países desenvolvidos. O agravamento da percepção de risco do país e eventos como o Brexit determinaram um maior pessimismo em tornos das acções nacionais. Mas, caso os investidores tivessem seguido as recomendações dos analistas, poderiam até ter terminado o ano com ganhos.

Embora cerca de metade das recomendações para as cotadas nacionais seja de "comprar", 2016 não foi um bom ano para o mercado accionista português. Contudo, os conselhos de investimento dos analistas revelaram-se mais certeiros.

Enquanto o índice PSI-20 caiu 5,04% entre 1 de Outubro de 2015 e 30 de Setembro de 2016, a carteira simulada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) para oito intermediários financeiros – quatro nacionais e quatro estrangeiros – revela que todos eles conseguiram desempenhos significativamente melhores que o índice no mesmo período, mostra o Relatório Anual sobre a Actividade de Supervisão e Análise Financeira do regulador. E, na maior parte dos casos, o comportamento das carteiras foi mesmo positivo.

O Santander foi o banco de investimento que apresentou o melhor resultado, segundo a CMVM. Uma carteira virtual de 100 mil euros teria aumentado para 102.316 euros, o que implica uma valorização de 2,32%. Já a carteira que seguisse as recomendações da Fidentiis teria registado uma perda potencial de 1.523 euros (-1,52%), uma quebra, ainda assim, bastante inferior à da bolsa.

Recomendações de "vender" acertam mais

Ainda que os analistas mantenham o maior número de recomendações de "comprar" (49,9%), foi nas recomendações de "vender" que acertaram mais. "Foi nas recomendações de ‘vender’ e de ‘manter’ que o preço-alvo foi mais atingido, em particular nas de ‘vender’ com horizonte temporal para o final de 2016", adianta o relatório da CMVM. Ao invés, "em apenas 63 das 286 recomendações de ‘comprar’ que fazem parte desta amostra o preço-alvo foi atingido, e naquelas cujo horizonte temporal era o final de 2016 somente em cerca de uma em cada dez o respectivo preço-alvo foi alcançado".

Das 482 recomendações analisadas pela CMVM para as cotadas portuguesas, metade eram de "comprar", 37,5% "manter" e 12,6% "vender". Contudo, olhando para as avaliações de analistas nacionais e estrangeiros, os primeiros mantêm uma visão mais optimista, detendo cerca de 63% de ordens para investir. Entre os estrangeiros, "comprar" e "manter" estão equilibrados: 42,7%.




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado F.Maurício Garcia Há 3 semanas

À Classe Política Portuguesa, à CMVM - meus dignos Amigos e Representantes:
Para mim, como investidor que sou e que desejo voltar a investir no meu País os capitais que tenho (legalmente) lá fora, é imprescindível ter a certeza de que reina a Ética e a Lei em Portugal, que o uso abusivo de informação privilegiada não é consentida, e é travada a tempo.O comportamento das cotações do Montepio antes do anúncio da OPA, pode ser e gostaria que fosse, uma pura coincidência. Mas, como diz um velho provérbio russo múltiplas vezes evocado pelo vencedor da guerra fria( Reagan), “confia mas verifica”.No caso do Montepio, a mulher de César pode ser muito honesta; mas também é importante que o pareça, sendo fundamental que a CMVM investigue se o é como todos desejamos, não se coibindo em tal caso perante a opinião pública em geral e os investidores em particular, de pôr por ela a cabeça no cepo.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

E mais importante nomear diretores na CMVM que ver o que se passa na bolsa, com o Montepio? Prioridades!

F.Maurício Garcia Há 3 semanas

À Classe Política Portuguesa, à CMVM - meus dignos Amigos e Representantes:
Para mim, como investidor que sou e que desejo voltar a investir no meu País os capitais que tenho (legalmente) lá fora, é imprescindível ter a certeza de que reina a Ética e a Lei em Portugal, que o uso abusivo de informação privilegiada não é consentida, e é travada a tempo.O comportamento das cotações do Montepio antes do anúncio da OPA, pode ser e gostaria que fosse, uma pura coincidência. Mas, como diz um velho provérbio russo múltiplas vezes evocado pelo vencedor da guerra fria( Reagan), “confia mas verifica”.No caso do Montepio, a mulher de César pode ser muito honesta; mas também é importante que o pareça, sendo fundamental que a CMVM investigue se o é como todos desejamos, não se coibindo em tal caso perante a opinião pública em geral e os investidores em particular, de pôr por ela a cabeça no cepo.

Anónimo Há 3 semanas

Informação privilegiada?
Provavelmente haverá quem a tenha legalmente e quem a use ilegalmente.Veja-se a espetacular alta das cotações do Montepio recentemente, em antecipação à OPA que aí vinha.E que faz a CMVM ? Enquanto não atende as mais de 1000 reclamações existentes sobre o Banif, há 2 semanas organizou uma conferência sobre... Governance, em que, supõe-se em representação dos investidores que pagam os salários dos funcionários da CMVM, esteve o... Senhor Ministro das Finanças !

quem é que previa um banco falido a 1 EU Há 3 semanas

Só mesmo em portugal um banco falido vale um EURO enquanto aquele que está a ABARROTAR de lucros continua ao preço de um PAPO SECO MILENIUM BCP VINTE CÊNTIMOS montepio 1 EURO e depois ainda querem sair do LIXO

ver mais comentários
pub