Câmbios Relatos do BCE levam euro a passar abaixo da fasquia de 1,17 dólares

Relatos do BCE levam euro a passar abaixo da fasquia de 1,17 dólares

Os responsáveis do BCE mostraram preocupações sobre o risco de subidas significativas do euro na última reunião. A moeda única reagiu em queda.
Relatos do BCE levam euro a passar abaixo da fasquia de 1,17 dólares
Rui Barroso 17 de agosto de 2017 às 14:06

O BCE está preocupado com a tendência de subida da moeda única, revelaram os relatos da última reunião de política monetária, divulgados esta quinta-feira, 17 de Agosto. E bastou a referência a essa preocupação para provocar uma descida do valor da moeda única. O euro segue a desvalorizar 0,61% face à nota verde, valendo 1,1695 dólares. Desde final de Julho que o euro não negociava abaixo da fasquia de 1,17 dólares.

Os relatos do BCE revelaram que na reunião do Conselho de Governadores do passado dia 20 de Julho, que o entendimento dos governadores foi de que "apesar de ter sido sublinhado que a valorização do euro até à data pode ser, em parte, um reflexo das alterações nos fundamentais da Zona Euro em relação ao resto do mundo, foram expressadas preocupações sobre o risco da taxa de câmbio ter aumentos significativos no futuro". E foi expressado que o euro mais forte pode levar a que no curto prazo a inflação fique ainda mais baixa que o anteriormente previsto.



O euro tem sido uma das divisas mais fortes deste ano, com praticamente todas as principais divisas a perderem valor em relação à moeda única. O dólar americano desce mais de 10%. O real brasileiro perde mais de 7,5%. A libra desvaloriza mais de 6%. O franco suíço e o dólar neozelandês cedem mais de 5%. E o iene e o dólar canadiano recuam mais de 4% face à moeda única desde o início do ano.







A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub