Research Resultados abaixo do esperado levam BPI a cortar estimativas da Corticeira Amorim

Resultados abaixo do esperado levam BPI a cortar estimativas da Corticeira Amorim

Os analistas do BPI avisam que a subida dos preços da cortiça coloca um desafio à evolução da rentabilidade da empresa em 2018 e que a desvalorização do dólar face ao euro pode penalizar o título.
Resultados abaixo do esperado levam BPI a cortar estimativas da Corticeira Amorim
DR
Rita Faria 02 de agosto de 2017 às 10:49

Os resultados da Corticeira Amorim, revelados esta quarta-feira, 2 de Agosto, ficaram abaixo do esperado pelos analistas do BPI que, numa nota de análise divulgada esta manhã, avisam que vão cortar as suas estimativas.

O BPI, que tem um preço-alvo de 13,90 euros para a Corticeira e uma recomendação "neutral", alerta ainda que a desvalorização do dólar face ao euro poderá penalizar o desempenho da acção.

Na nota de análise, os especialistas do banco referem que as vendas - que aumentaram 3,3% em termos homólogos para 183 milhões de euros - ficaram 1% das estimativas enquanto o EBITDA ficou 13% aquém, sobretudo devido às margens inferiores ao esperado, na medida em que o melhor desempenho da unidade de rolhas não foi capaz de compensar os custos mais elevados da matéria-prima e os desvios negativos nas unidades de isolamentos e aglomerados compósitos.

Já os lucros, que caíram 3,2% para 20,5 milhões de euros no segundo trimestre, foram 23% inferiores ao antecipado.

No research, o BPI refere que, na sequência dos números apresentados, vai cortar as suas estimativas do EBITDA do conjunto do ano, e alerta que a subida esperada de 10% para os preços da cortiça poderá ser "um desafio para a evolução da rentabilidade da empresa em 2018, particularmente considerando a desvalorização contínua do dólar em relação ao euro".

As acções da Corticeira Amorim descem 0,59% para 11,795 euros, 17,8% acima do preço-alvo definido pelo BPI, que o banco decidiu manter, tal como a recomendação "neutral".

No início da sessão, os títulos chegaram a descer um máximo de 1,94% para 11,635 euros em reacção aos resultados. 

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Lenito 02.08.2017

os analistas do BPI deviam ter uma aproximação mais freudiana, a estes resultados. Os analistas do BPI... os analistas do BPI... podiam tanto dizer isto como o contrário. O espírito de corpo está em se acharem uns aos outros, bons, e que só eles mesmos e mais ninguém. Estes analistas raramente acertam. Tirando eles próprios, quem os acha bons e em quê? A categoria depende do modelo de carro, e a sorte das apostas, no telelé. O chefe, esse, deve ter direito a um Rolex, mas dos baratos. Os analistas financeiros ainda têm de andar de fato e gravata? Poor bastards

DESVALORIZAÇÃO DO DÓLAR 02.08.2017

Não é esta Empresa só que vai ser afetada, Navigator, será fortemente afetada, e outras

pub
pub
pub
pub