Research Resultados sem surpresas dão ganhos ligeiros às acções da Sonae

Resultados sem surpresas dão ganhos ligeiros às acções da Sonae

As acções da Sonae estão a ganhar menos de 0,5%, depois de a empresa ter apresentado resultados em linha com o esperado, que os analistas consideram positivos.
Resultados sem surpresas dão ganhos ligeiros às acções da Sonae
Paulo Duarte
Rita Faria 19 de maio de 2017 às 10:42

As acções da Sonae estão a negociar em alta ligeira, na bolsa de Lisboa, depois de a empresa ter revelado ontem os seus resultados trimestrais, que não trouxeram surpresas para os analistas.

 

Os títulos ganham 0,33% para 92,3 cêntimos, depois de terem chegado a valorizar um máximo de 2,07% para 93,9 cêntimos.

 

A empresa co-liderada por Paulo Azevedo e Ângelo Paupério fechou os primeiros três meses deste ano com lucros de oito milhões de euros, uma descida de 72% face ao período homólogo, que se justifica pelos ganhos não recorrentes que impactaram os resultados do primeiro trimestre de 2016. O EBITDA (resultado antes de juros, impostos, amortizações e depreciações) caiu 47,7% para 62 milhões de euros, enquanto as vendas aumentaram 6%, para 1,278 mil milhões de euros.

 

Numa nota de análise divulgada esta sexta-feira, o CaixaBI destaca que as vendas "estiveram alinhadas com as nossas estimativas", enquanto a margem EBITDA da Sonae MC "foi ligeiramente inferior".

 

"A Sonae teve um trimestre são, não se afastando das nossas expectativas e conseguindo aumentar vendas, sem intensificar a agressividade comercial que tem caracterizado os resultados da Sonae ao longo dos últimos trimestres", resumem os analistas da unidade de investimento da Caixa Geral de Depósitos, acrescentando que não esperam "um impacto significativo" no preço da acção no curto prazo.

 

Já o Haitong sublinha que as operações de retalho superaram ligeiramente as projecções, o que leva os analistas a reiterarem a retalhista na sua lista de balas de prata, com um preço-alvo de 1,08 euros por acção. Considerando a cotação actual (92,3 cêntimos), esta avaliação traduz um potencial de valorização de 17%.

 

Também para os analistas do BPI, os resultados foram pouco acima do esperado, levando-os a confirmar a sua visão positiva para a empresa.

 

"Os resultados foram ‘ok’, as indicações sobre a evolução do LfL até Abril são positivas e os recentes dados macroeconómicos têm mostrado um forte pano de fundo em Portugal. Reforçamos, por isso, a nossa visão positiva", lê-se num anota de análise do BPI a que o Negócios teve acesso.

 

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro.


A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Somos um país de grandes merceeiros cujos maiores clientes são os fúncios excedentários de carreira sindicalizados, injusta e insustentavelmente alavancados pela banca de retalho resgatada. E está tudo dito.

comentários mais recentes
Anónimo Há 6 dias

O Jornal de Negócios devia elaborar sobre as transformações que economias mais desenvolvidas estão a viver há muito, criando assim as condições para se distanciarem ainda mais de economias capturadas pelos oligopólios, o sindicalismo e o neoludismo como a portuguesa e grega.

Anónimo Há 6 dias

Investir em acções de empresas portuguesas é para quem tem muito dinheiro para deitar fora. Há mercados prioritários muito mais apetecíveis. O custo de oportunidade de investir em Portugal é altíssimo.

Anónimo Há 1 semana

Cuidado com a linguagem que por aqui, por vezes, quando apetece e há tempo para tal, responde-se a parvos com muito gosto...

Punitor Há 1 semana

Comparar mercado americano com mercado português é a maior aberração que se pode fazer. É comparar planetas de galáxias diferentes...
Não obstante os resultados, a Sonae está a caminhar bem, excelentes investimentos, uma das poucas empresas do PSI que consegue prosperar quase diariamente.
Esses aziados mentecaptos da desgraça que por aqui comentam tais aberrações mais parecem carentes de visão.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub