Bolsa Resultados da banca impulsionam bolsas dos Estados Unidos

Resultados da banca impulsionam bolsas dos Estados Unidos

As bolsas dos EUA estão a negociar em alta animadas pelos resultados do Citigroup, JPMorgan e Wells Fargo que superaram as estimativas. Além da banca, a Fed está no radar dos investidores, que vão estar atentos ao discurso de Yellen.
Resultados da banca impulsionam bolsas dos Estados Unidos
Reuters
Rita Faria 14 de Outubro de 2016 às 14:37

Os principais índices norte-americanos abriram em alta esta sexta-feira, 14 de Outubro, num dia que é também de fortes ganhos para as acções europeias.

A animar Wall Street estão os resultados de três dos maiores bancos dos Estados Unidos, que superaram as estimativas, e os dados da inflação na China que ajudaram a atenuar os receios em torno da segunda maior economia do mundo após o anúncio da forte quebra das exportações.

O índice industrial Dow Jones ganha 0,71% para 18.227,82 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq sobe 0,59% para 5.243,96 pontos. Já o S&P500 valoriza 0,6% para 2.145,17 pontos. 

Antes da abertura do mercado, o JPMorgan anunciou que os resultados líquidos do terceiro trimestre baixaram para 6,29 mil milhões de dólares, contra 6,8 mil milhões de dólares no período homólogo. Uma queda de 7,6% que se justifica com o facto de o banco ter registado um benefício fiscal de 2,2 mil milhões de dólares no terceiro trimestre do ano passado.

 

Os lucros por acção ascenderam a 1,58 dólares, superando a estimativa dos analistas consultados pela Reuters, que apontavam para 1,39 dólares por acção.

 

Também os resultados do Citigrouo superaram as previsões dos analistas. Os lucros do banco desceram 11% para 3,84 mil milhões de dólares, ou 1,24 dólares por acção, quando as estimativas apontavam para 1,15 dólares por acção. As receitas caíram 5% para 17,8 mil milhões de dólares, acima dos 17,3 mil milhões esperados pelos analistas.

 

Já o Wells Fargo, cujo CEO deixou o cargo esta semana por causa de um escândalo na sua rede de agências, anunciou que os lucros do terceiro trimestre caíram 2,6% no terceiro trimestre, período em que os gastos subiram e a instituição realizou mais provisões para o crédito malparado.

 

O resultado líquido diminuiu de 5,8 mil milhões de dólares para 5,64 mil milhões, ou 1,03 dólares por acção, acima das estimativas dos analistas consultados pela Bloomberg que apontavam para um resultado de 1,01 dólares por acção.  

 

Goldman Sachs, Bank of America e Morgan Stanley apresentam as suas contas na próxima semana.

 

Esta sexta-feira, além dos resultados da banca, os investidores vão estar atentos às palavras da presidente da Reserva Federal, Janet Yellen, que vai discursar numa conferência organizada pela Fed de Boston.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub