Bolsa Retalhistas atiram Wall Street para máximos históricos

Retalhistas atiram Wall Street para máximos históricos

Os mercados accionistas do outro lado do Atlântico voltaram a encerrar em terreno positivo, desta vez com a ajuda extra do sector do retalho. O S&P 500 e o Nasdaq, que ontem marcaram recordes de fecho, atingiram hoje novos máximos de sempre. O Dow Jones, que ontem regressou à casa dos 21.000 pontos, mantém-se nesse patamar.
Retalhistas atiram Wall Street para máximos históricos
Bloomberg
Carla Pedro 25 de maio de 2017 às 21:24

O Dow Jones fechou a sessão desta quinta-feira a somar 0,34% para 21.082,95 pontos, mantendo-se assim no patamar dos 21.000 pontos ao qual regressou ontem. Ainda não marcou um novo recorde, que está actualmente nos 21.169,11 pontos (atingidos na sessão de 1 de Março), mas caminha a passos largos nessa direcção.

 

Por seu lado, o Standard & Poor’s 500 avançou 0,40% para 2.415 pontos, a estabelecer assim um novo recorde de fecho. Durante a sessão fixou o valor mais alto de sempre, nos 2.418,71 pontos.

 

Também o tecnológico Nasdaq Composite terminou em alta, a valorizar 0,69% para 6.205,25 pontos, valor nunca antes atingido num fecho de sessão. Na negociação intradiária chegou mesmo a um novo máximo histórico, quanto tocou nos 6.217,34 pontos.

 

A sustentar a negociação das bolsas norte-americanas estiveram sobretudo os títulos do retalho, que compensaram largamente as perdas no sector da energia decorrentes da queda dos preços do petróleo nos mercados internacionais.

 

As boas contas das retalhistas animaram a negociação em Wall Street, com a Best Buy entre os melhores desempenhos, ao disparar 22% - a subida mais acentuada desde 2001 – depois de reportar que as suas vendas aumentaram inesperadamente no trimestre passado face ao período homólogo.

 

Ainda no retalho, destaque também para a PVH – dona de marcas como a Tommy Hilfiger –, que avançou 4,9%.

 

Ainda do lado dos ganhos, destaque para os títulos ligados aos operadores ferroviários – que impulsionaram as acções em geral no sector dos transportes.

 

Os principais índices bolsistas do outro lado do Atlântico estiveram ainda a ser impulsionados pela divulgação das actas da última reunião da Reserva Federal norte-americana, que teve lugar a 2 e 3 de Maio, já que se assinalou que a economia do país continua de boa saúde – apesar de ter sido advogada prudência devido à desaceleração da actividade económica no primeiro trimestre e de se esperar por dados mais concretos de que se tratou de um abrandamento transitório.

 

Com as actas da Fed ficou reiterada a possibilidade de a autoridade monetária subir os juros directores já na sua reunião de 13 e 14 de Junho – com o mercado a apontar uma probabilidade média de 80% de isso acontecer.


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

Retalhistas mas não grandes merceeiros. Lojas de electrodomésticos e roupa e acessórios apenas.

pub