Bolsa Retalho e CTT dão alta ligeira à bolsa portuguesa

Retalho e CTT dão alta ligeira à bolsa portuguesa

O principal índice bolsista nacional arrancou em alta, um dia depois de conhecida a vitória de Donald Trump nas eleições nos EUA e com os investidores a digerirem o seu plano para a maior economia do mundo.
Paulo Zacarias Gomes 10 de Novembro de 2016 às 08:07

As praças europeias prolongam esta quinta-feira os ganhos de ontem, depois de fortes valorizações na Ásia com a bolsa de Tóquio a mais do que recuperar das perdas de quarta-feira perante a intenção de Trump investir mais de 500 mil milhões de dólares (456 mil milhões de euros) em infra-estruturas e de reduzir impostos.

Lisboa, que ontem foi das poucas a ficar do lado das perdas (caiu 1,47%), recupera parte das quedas nesta sessão, com os títulos da Jerónimo Martins, da Sonae e dos CTT a puxarem o índice para terreno positivo.

O PSI-20 ganha 0,24% para 4.506,09 pontos, com 13 títulos em alta, quatro em queda e um inalterado. Ontem as praças de Nova Iorque já tinham reagido positivamente, fechando com ganhos superiores a 1%.

A Sonae é o título que mais avança em Lisboa, ganhando 2,09% para 0,734 euros, depois de ontem ter apresentado um recuo de 3,1% nos lucros até Setembro, perante o efeito da participação da Sonaecom na Zopt. A empresa registou contudo um crescimento de 6,7% na facturação e um aumento de 3,1% no EBITDA. Ainda no retalho, a Jerónimo Martins soma 0,93% para 15,74 euros.

Já o BCP é o que mais condiciona pela negativa o PSI-20. Segue a cair 0,87% para 1,14 euros depois de ontem ter apresentado prejuízos de 251,1 milhões de euros até Setembro, com queda do produto bancário e registo de 870,2 milhões de euros em imparidades. E depois de a Sonangol ter deixado em aberto a possibilidade de reforçar no banco acima do nível dos 20% de capital. Na assembleia-geral marcada para 21 de Novembro, os accionistas poderão aumentar o limite de votos de 20% para 30%.

Nas 14 sessões que vão desde que iniciou a negociação com 75 acções reagrupadas em uma (24 de Outubro) o título do banco liderado por Nuno Amado apenas registou duas sessões de ganhos.

Os papéis da EDP Renováveis, que ontem caíram perante a exposição ao mercado norte-americano onde se espera que Trump incentive a indústria de combustíveis fósseis em detrimento das fontes renováveis de energia, segue a recuperar 0,23% para 6,10 euros. O Negócios noticia hoje que a eléctrica voou para os Estados Unidos para se reunir com investidores num dos maiores mercados da EDP Renováveis. 

A Pharol ganha 0,85% para 0,238 euros depois de ontem a Oi ter reportado um aumento de 7% nos prejuízos no terceiro trimestre, equivalendo a 297 milhões de euros.

Semapa, BPI e NOS são, com o BCP, os únicos títulos a registar quedas. No caso da operadora, o recuo é de 1,69% para 5,751 euros.

(Notícia actualizada às 8:21)




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

O HAITONG deveria vir aqui a este espaço repor a verdade dos últimos acontecimentos isto em relação á SONAE SGPS e,pedir desculpa aqueles que já foram lesados.Deveria haver um organismo que chamasse estes senhores que são incompetentes ou oportunistas ao banco dos réus.

Anónimo Há 4 semanas

O HAITONG

Anónimo Há 4 semanas

CTT UPA! UPA!
Próxima resistência a 6.50. alto dividendo, vai subir bastante até ao seu pagamento, comprar agora e aguardar.
E mais não digo.

pub