Bolsa Retalho e grupo EDP dão abertura negativa ao PSI-20

Retalho e grupo EDP dão abertura negativa ao PSI-20

A bolsa nacional acompanha o pessimismo das principais praças europeias, penalizada pelas descidas ligeiras da EDP, EDP Renováveis, Sonae e Jerónimo Martins.
A carregar o vídeo ...
Rita Faria 08 de agosto de 2017 às 08:17

A bolsa nacional está a negociar em queda ligeira esta terça-feira, 8 de Agosto, depois de duas sessões consecutivas de ganhos, com o PSI-20 a desvalorizar 0,08% para 5.271,56 pontos. Das 19 cotadas que formam o principal índice nacional, oito estão em queda, seis em alta e cinco inalteradas.

Lisboa acompanha, desta forma, a tendência negativa das principais praças europeias, depois de a sessão norte-americana ter ficado marcada pelo novo recorde consecutivo do Dow Jones.

Antes da abertura na Europa, foi revelado que as exportações e as importações chinesas subiram menos do que o esperado, no mês passado.

Por cá, as cotadas do grupo EDP são das que mais penalizam o PSI-20, com a casa-mãe a descer 0,29% para 3,146 euros e a EDP Renováveis a deslizar 0,26% para 6,80 euros, um valor ainda superior à contrapartida oferecida pela EDP na OPA, de 6,75 euros.

A empresa liderada por António Mexia ficou longe do patamar necessário para retirar a EDP Renováveis de bolsa, mas os analistas antecipam que o desfecho da operação poderá ser favorável para as acções da eólica e relativamente neutral para a EDP, como escreve o Negócios na edição desta terça-feira.

A contribuir para a tendência negativa está ainda o sector do retalho, com a Jerónimo Martins a ceder 0,32% para 16,905 euros e a Sonae a recuar 0,51% para 97,6 cêntimos.

Do lado das subidas destaca-se o BCP, os CTT, a Galp e a Pharol. O banco liderado por Nuno Amado soma 0,13% para 23,89 cêntimos, os CTT ganham 0,5% para 5,376 euros e a Galp avança 0,14% para 14,18 euros, numa altura em que o petróleo segue com sinal vermelho nos mercados internacionais.

Já a Pharol soma 0,59% para 34 cêntimos. O Negócios noticia que a justiça do Luxemburgo rejeitou a pretensão da Pharol, que queria destituir os responsáveis pela insolvência da Rioforte, a empresa do Grupo Espírito Santo em que antiga PT SGPS investiu 897 milhões de euros em papel comercial. 




A sua opinião21
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Re:BCP, próximo da correção Há 2 semanas

Pá tu nem dormes só sonhas com quedas..... TODA A GENTE SABE QUE AS BOLSAS NÃO ESTÃO SEMPRE A SUBIR....

ALGUEM ESTÁ INTERESSADO NA TUA OPINIÃO DE PALHAÇO????

comentários mais recentes
JCC Há 2 semanas

Mais dois meses sem voltar a abrir o JdN. Que vergonha de comentários. Como é possível o JdN permitir isto?

joaoferreira1 Há 2 semanas

Mais uma vez venho relembrar que barato barato é o BÓBÓ que a mãe do maluko dos 0,18 faz. Sem a dentadura é veludo. Bons banhos heheheeh

TUDO Á ESPERA, da abertura dos E.U.A Há 2 semanas

Os investidores desconfiam, tudo atento , ao pequeno sinal , lá vem tudo por aí abaixo, cuidado, isto não está para brincar, a guerra pode rebentar a qualquer minuto, as bolsas americanas tem subido sem justificação, e a bolha pode rebentar,

BCP a ação da especulação, Há 2 semanas

Quem pensa que este titulo vai sair dos 0.25 26 cêntimos desengane-se, esta ação só serve para especular, ora agora ganhas tu, ora agora ganho eu, vai ser manipulada, pelos grande tubarões, que limitam-se a ganhar décimas do cêntimo, porque jogam milhões, o peq1ueno só se enterra.

ver mais comentários
pub