Bolsa Retalho pressionou e saúde sustentou. Wall Street fecha a cair menos do que a meio do dia

Retalho pressionou e saúde sustentou. Wall Street fecha a cair menos do que a meio do dia

As bolsas norte-americanas encerraram no vermelho, mas a perderem menos terreno do que a meio do dia. Apesar das pressões da Macy’s e da Kohl, os cuidados de saúde e os bens de primeira necessidade.
Retalho pressionou e saúde sustentou. Wall Street fecha a cair menos do que a meio do dia
Reuters
Carla Pedro 11 de maio de 2017 às 21:42

O Dow Jones terminou a sessão desta quinta-feira a ceder 0,11% para 20.919,42 pontos, ao passo que o Standard & Poor’s 500 recuou 0,22% para 2.394,44 pontos e o tecnológico Nasdaq Composite resvalou 0,22% para 6.115,96 pontos.

 

As praças do outro lado do Atlântico estiveram a ser pressionadas sobretudo pelas retalhistas, depois de apresentarem resultados trimestrais decepcionantes, com destaque para a Macy’s e Kohl’s Corp.

 

As contas abaixo do esperado por parte destas retalhistas intensificaram o receio de que os consumidores norte-americanos continuem a conter-se em matéria de gastos.

 

Com efeito, as fracas vendas por parte das lojas departamentais suscitam preocupações junto dos investidores, que receiam que grande parte da economia dos EUA não esteja a recuperar a um ritmo suficientemente forte para a Fed prosseguir a subida dos juros.

 

A Macy’s encerrou a afundar 17,01% para 24,35 dólares, depois de ter chegado a mergulhar 17,35%. Desde 2008 que não perdia tanto numa só sessão.

 

Em destaque também pela negativa estiveram as acções da Snap Inc., Inc., depois de ontem ter reportado, a seguir ao fecho das bolsas, que a sua aplicação Snapchat captou menos utilizadores no primeiro trimestre do que aquilo que tinha previsto.

 

Hoje estiveram a negociar com perdas quase sempre na ordem dos 20%, tendo encerrado a jornada a perder 21,45% para 18,05 dólares – ainda assim acima dos 17 dólares estabelecidos aquando do IPO a 1 de Março.

 

Apesar destas pressões, a meio da tarde os principais índices dos EUA conseguiram aliviar grande parte das perdas, sustentados pela retoma dos preços do petróleo, bem como pelo bom desempenho dos títulos ligados aos cuidados de saúde e aos bens de primeira necessidade.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub