Bolsa Revisão em alta do crescimento não evita perdas em Wall Street

Revisão em alta do crescimento não evita perdas em Wall Street

As bolsas dos Estados Unidos estão a negociar em queda ligeira depois de o Departamento do Comércio ter revisto em alta o crescimento do PIB no segundo trimestre de 3% para 3,1%.
Revisão em alta do crescimento não evita perdas em Wall Street
Reuters
Rita Faria 28 de setembro de 2017 às 14:39

Os principais índices norte-americanos abriram em queda ligeira esta quinta-feira, 28 de Setembro, depois de duas sessões consecutivas de ganhos, que levaram o S&P500 a atingir um novo máximo histórico na quarta-feira.  

 

O índice industrial Dow Jones desce 0,11% para 22.316,43 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq recua 0,18% para 6.441,62 pontos. O S&P500 perde 0,04% para 2.505,95 pontos.

 

Antes da abertura do mercado, o Departamento do Comércio reviu em alta os números do crescimento do PIB no segundo trimestre de 3% para 3,1%, naquela que é a terceira e última leitura. É a taxa mais elevada desde os primeiros três meses de 2015, e acima da meta de crescimento de 3% apontada pelo presidente norte-americano Donald Trump.

 

Esta quinta-feira foi ainda revelado pelo Departamento do Trabalho que os pedidos de subsídio de desemprego nos Estados Unidos aumentaram na semana passada, sobretudo devido aos acréscimos registados na Flórida e Geórgia, os locais atingidos pelo furacão Irma.

 

O número de pedidos aumentou em 12 mil para 272 mil – acima do esperado – enquanto a média de quatro semanas atingiu o nível mais alto desde Fevereiro de 2016.

 

Nas últimas sessões, as acções dos Estados Unidos beneficiaram da expectativa crescente de que a Fed vai aumentar os juros em Dezembro, pela terceira vez este ano, e do plano de reforma fiscal da administração Trump, que prevê uma descida do imposto sobre as empresa de 35% para 20% e a redução do número de escalões do IRS de sete para três.

As acções da Blackberry listadas nos Estados Unidos estão a disparar 11,92% para 10,33 dólares, depois de a empresa ter reportado um aumento dos lucros. Em sentido contrário, os títulos da Dexcom afundam 33,93% para 44,58 dólares, depois de a FDA ter aprovado o aparelho de monitorização da glicose da Abbott Laboratories.