Obrigações Risco da dívida portuguesa recua para mínimo de Janeiro de 2016 após leilão

Risco da dívida portuguesa recua para mínimo de Janeiro de 2016 após leilão

A descida dos custos de financiamento de Portugal no duplo leilão realizado esta quarta-feira teve impacto no mercado secundário, com os juros a 10 anos em mínimos de Agosto do ano passado.
Risco da dívida portuguesa recua para mínimo de Janeiro de 2016 após leilão
Miguel Baltazar

Os juros da dívida pública portuguesa acentuaram a tendência de queda depois do IGCP ter concretizado a emissão de dívida a 5 e 10 anos, que ficou marcada por uma descida dos custos de financiamento de Portugal.

 

No mercado secundário, os juros das obrigações do Tesouro a 10 anos cedem 10 pontos base para 2,84%, o que representa um novo mínimo desde Agosto do ano passado.

 

Esta queda atirou o risco da dívida portuguesa (medido pelo diferencial entre os juros de Portugal e Alemanha) para os níveis mais baixos desde os primeiros dias do ano passado. O "spread" está esta quarta-feira, 14 de Junho, nos 254 pontos base.

 

O risco da dívida portuguesa tem registado uma descida significativa nas últimas semanas, que foram marcadas pela saída de Portugal do Procedimento por Défices Excessivos e por revisões em alta para o crescimento da economia portuguesa este ano, depois do PIB ter excedido as expectativas no primeiro trimestre (+2,8%).

 

A sessão de hoje é já a quinta consecutiva de descida nos juros portugueses, que no espaço de pouco mais de dois meses acumulam uma queda de mais de 100 pontos base. Um desempenho que levou o risco da dívida portuguesa a recuar também mais de 100 pontos base neste período.

 

No início de Abril os juros da dívida portuguesa a 10 anos estavam acima dos 4% e o spread face à dívida alemã situava-se acima dos 360 pontos base.

 

Esta prestação das obrigações portuguesas decorre a poucos dias de a Fitch se pronunciar sobre o rating de Portugal, não sendo contudo expectável que, na sexta-feira, agência de notação financeira efectue qualquer alteração. A Fitch tem um "rating" de BB+, a um nível de sair de "lixo" e a perspectiva é "estável". Geralmente, antes de subidas de "rating" esse "outlook" tem de passar a positivo.   

 

Reacção positiva a leilão

 

Num dia em que a dívida europeia segue estável, a descida acentuada dos juros de Portugal é explicada com o leilão realizado esta manhã.

 

O Tesouro foi ao mercado e colocou o montante máximo pretendido: 1.250 milhões de euros em títulos a cinco e a dez anos. Na maturidade mais curta, a taxa da operação foi de 1,198%, a mais baixa desde, pelo menos 2006, data dos últimos dados disponibilizados pelo IGCP. Já nas Obrigações do Tesouro (OT) a dez anos, o juro foi de 2,851%, o mais baixo desde Novembro de 2015. Isto dias antes da Fitch se manifestar sobre o "rating".

 

"Atribuo esta descida dos juros a toda uma série de factores, incluindo as compras do BCE, mas acho que uma boa parte se deve ao reconhecimento, por parte dos investidores, dos bons dados económicos divulgados recentemente sobre Portugal. Claramente emitimos abaixo do custo médio da dívida portuguesa e por se tratar de dívida de longo prazo esse facto beneficia os encargos do país", referiu Filipe Silva director da gestão de activos do Banco Carregosa, numa nota enviada às redacções.


 


A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Muitos estrangeiros não estão a par daquilo que o PS, o BE e o PCP são capazes. Não têm noção do esterco que lhes inunda o pensamento económico. Julgam que a esquerda portuguesa é como a maior parte da esquerda do Norte da Europa ou da América com possibilidade de ter representação nos respectivos governos. A esquerda mainstream de lá, do Norte da Europa ou da América, é um PSD de cá. Por vezes até uma AD ou PAF. É orientada para o mercado, o investimento e as empresas, sem contudo esquecer a necessidade de ter um Estado de Bem-Estar Social funcional, justo e sustentável. Quem faz análises mais profundas e fundamentadas não se deixa iludir tão facilmente pelos especuladores que querem obter mais-valias sobre a dívida pública portuguesa que compraram e valorizará tanto mais quanto maior for a extraordinária propaganda fantasiosa promovida por Centeno e Costa que pressiona os juros para baixo valorizando os títulos da dívida portuguesa sem fundamentos sólidos para tal.

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

O rating da dívida pública portuguesa é muito preocupante e continuará a sê-lo enquanto os governantes não se convencerem que as reformas laborais, fiscais, administrativas, de fomento à inovação com vista à exportação orientada para as necessidades do mercado global, são para se fazerem na íntegra e sem mais rodeios. Tal como as economias e sociedades mais prósperas e avançadas do mundo têm vindo a fazer.

Anónimo Há 1 semana

Foguetes de artificio à custa do Endividamento Público! As políticas Keynesianas nunca triunfaram em lado nenhum!

Alexandre Policarpo Há 1 semana

Muito bem. Parabéns a António Costa o melhor PM de sempre de Portugal.

Nada como ter memória Há 1 semana

Dos 4 anos de terror com aquela cambada dos PAF que até às reformas foram. Concordo

ver mais comentários
pub