Obrigações Saiba como investir na nova emissão de OTRV

Saiba como investir na nova emissão de OTRV

O IGCP vai avançar com a emissão de uma nova série de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV). O período de subscrição arranca já na próxima segunda-feira, 14 de Novembro, e decorre até 25 de Novembro. A taxa é de 2%. Saiba mais sobre a operação.
Saiba como investir na nova emissão de OTRV
Bruno Simão
Patrícia Abreu 11 de Novembro de 2016 às 00:01

Investimento mínimo de 1.000 euros
Tal como na operação anterior, o valor mínimo de investimento é de 1.000 euros, correspondentes a uma OTRV. O montante máximo que pode investir-se é de um milhão de euros, equivalente a 1.000 OTRV. O Tesouro pretende amealhar 500 milhões de euros, mas pode decidir aumentar este valor até ao próximo dia 18 de Novembro.

Oferta superior com rateio
Caso a procura supere a oferta há lugar a rateio. E esse é feito em três fases: atribuição de OTRV no montante de 20.000 euros, correspondente a 20 OTRV (ou no montante solicitado, caso seja inferior a 20.000 euros) a cada ordem de subscrição; atribuição do restante montante solicitado em cada ordem de acordo com a data em que deu entrada no sistema da Euronext; e atribuição sucessiva de mais 1.000 euros em OTRV às ordens de subscrição que, após a aplicação dos critérios anteriores, ficam mais próximas de mais uma OTRV.

Subscrição nos bancos
Os investidores interessados nas OTRV deverão colocar as ordens junto dos seus bancos. O período de subscrição decorre entre 14 de Novembro e 25 de Novembro. As ordens de subscrição tornam-se irrevogáveis no dia 22 de Novembro, três dias antes do fim do prazo para subscrever as obrigações.

Taxa mínima de 2% com juros semestrais
A remuneração é calculada a partir da média da Euribor a seis meses, acrescida de uma taxa de 2%. Ainda que a Euribor esteja negativa não é descontada à taxa, sendo considerada zero. O pagamento de juros é semestral, a 30 de Maio e de Novembro de cada ano, até 2021, data em que vencem os títulos.

Comissões travam juro
A remuneração será, porém, afectada pelas comissões. Os bancos cobram vários custos (subscrição, custódia, de pagamento dos juros e de resgate). Há ainda os impostos à taxa de 28%.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Carolina Há 3 semanas

O quê? Subsidiar o CONSUMO? O 'costinha do caril' ( da esquerdalha)...que faça isso!

eduardino Há 3 semanas

"caso a oferta supere a oferta" não compre porque devem ser falsas, mais falsas que as primeiras.

Anónimo Há 3 semanas

Caso a procura supere a oferta. Retifiquem.

pub
pub
pub
pub