Crédito Santander e Popular com metade do programa de 1,4 mil milhões para reabilitação

Santander e Popular com metade do programa de 1,4 mil milhões para reabilitação

O Santander Totta e o Banco Popular concentram metade dos 1,4 mil milhões de euros disponíveis para o financiamento de projectos no âmbito do Instrumento Financeiro para a Reabilitação e Revitalização Urbanas (IFRRU 2020).
Santander e Popular com metade do programa de 1,4 mil milhões para reabilitação
André Veríssimo 19 de outubro de 2017 às 18:02

O Santander Totta divulgou esta quinta-feira um comunicado onde informa que dispõe de 548 milhões de euros ao abrigo daquele programa, 293 milhões em financiamento do Santander e 255 milhões do IFRRU2020. O montante corresponde a 40% do valor total.

 

Ao que o Negócios apurou, o Banco Popular dispõe de cerca de 165 milhões de euros ao abrigo do IFRRU 2020. O que significa que quando a integração no Santander estiver concluída, este acumulará metade dos 1,4 mil milhões de euros de financiamento previstos no programa.

 

O BPI e o BCP são os outros dois bancos seleccionados para conceder empréstimos no âmbito do programa. A atribuição dos montantes é feita por concurso.

 

O IFRRU 2020 reúne diversas fontes de financiamento, quer fundos europeus do Portugal 2020, quer fundos provenientes de outras entidades como o Banco Europeu de Investimento e o Banco de Desenvolvimento do Conselho da Europa, conjugando-os com fundos da banca comercial.

 

Os empréstimos têm maturidades até 20 anos para arrendamento e 7 anos para venda, períodos de carência máximos de 4 anos e taxas de juro abaixo das praticadas no mercado para financiamentos da mesma natureza, graças a uma diminuição do "spread" ou das comissões.

 

O programa arranca no dia 30 de outubro e a sua aplicação termina no final de 2022.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub