Research Saxo aposta no regresso do PSI-20 aos máximos de 2014

Saxo aposta no regresso do PSI-20 aos máximos de 2014

A forte recuperação da economia portuguesa não está a ter o devido reflexo na bolsa portuguesa, pelo que o Saxo Bank recomenda aos investidores que tirem partido deste desequilíbrio, apostando que o PSI-20 tem margem para valorizar 35% até ao final do próximo ano.
Saxo aposta no regresso do PSI-20 aos máximos de 2014
Miguel Baltazar
Nuno Carregueiro 05 de julho de 2017 às 15:47

A surpresa da melhoria das condições da economia portuguesa não está a ter o devido reflexo no mercado accionista português, que continua a negociar com rácios deprimidos e idênticos aos que registava em 2012, quando a economia estava em recessão. A opinião é de Peter Garnry, responsável máximo da estratégia para o mercado de acções do Saxo Bank, que devido a esta perspectiva está a apostar na bolsa portuguesa.

 

O especialista do banco dinamarquês definiu um "target" de 7.000 pontos para o PSI-20, estimando que o índice português atinja este patamar até ao final de 2018. Uma aposta que incorpora um potencial de valorização de 35% face aos actuais níveis, com o PSI-20 a progredir até níveis de 2014, ano marcado pelo fim do programa de ajustamento em Portugal. O índice português chegou a transaccionar perto dos 8.000 pontos nesse ano, mas acabaria por chegar a Dezembro com um saldo negativo de 26,83%, tendo sido fortemente castigado a partir de Julho devido à pela queda do BES.

 

O mercado português nunca mais recuperou do caso que abalou a banca, o que de acordo com Saxo Bank não se justifica nesta altura, devido sobretudo à melhoria da economia. "Na nossa perspectiva, o mercado está a falhar, de forma massiva, o efeito bola de neve da melhoria dos fundamentais macro-económicos", escreve Peter Garnry, numa nota publicada segunda-feira no site do banco dinamarquês.

 

De acordo com o Saxo Bank, o PSI-20 está actualmente a negociar a 18 vezes os lucros por acção, com um "dividend yield" de 3,6% e um rácio entre a cotação e o valor contabilístico que se encontra ao nível do registado em 2012. "Quer isto dizer que há muito potencial de valorização se as perspectivas e os fundamentais melhorarem apenas ligeiramente", refere Peter Garnry.

   

O analista cita uma série de indicadores (PIB, desemprego, confiança dos agentes económicos, aumento de salários, etc) que mostram a melhoria da economia portuguesa, salientando que o "mais impressionante" é que este desempenho está a ser conseguido numa altura em que o défice orçamental está o nível mais baixo desde 1995.

 

"A nossa aposta ‘bullish’ no mercado português tem por base a perspectiva que os indicadores macro vão em breve acelerar o financiamento, baixar as perdas da banca com o crédito, reduzir o malparado, a construção voltará a ter um contributo positivo para o PIB e o turismo continuará a florescer. Todos estes factores vão determinar uma mudança na avaliação do mercado accionista", refere Garnry.

 

O Saxo adverte que nem tudo são rosas, pois a dívida pública permanece em níveis elevados (130% do PIB) e o crédito ao sector financeiro atingiu o nível mais baixo desde 2007, mas estes factores tornam o crescimento da economia "ainda mais impressionante". O maior risco da recomendação do Saxo está na possibilidade de "abrandamento da economia global", sendo que o banco alerta também para o elevado peso das "utilities" na bolsa portuguesa, sendo que estas cotadas não registam habitualmente taxas de crescimento elevadas.

 

O Saxo recomenda que a aposta no mercado português seja materializada através da compra de CDF sobre o PSI-20, sendo que estes instrumentos financeiros permitem uma elevada alavancagem. O banco recomenda aos investidores que definam o limite às perdas ("stop loss") nos 4.330 pontos (desvalorização de 16%), um nível que acreditam que o PSI-20 só atingirá caso ocorra uma crise bancária ou uma quebra na economia europeia.






A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
35%? Há 1 semana

Nada de extraordinário. O BCP tem um preço objectivo de 0,33€ logo com um potencial de 47%. Se os outros titulos do PSI tiverem desempenhos semelhantes 35% é perfeitamente atingivel. Mas é preciso que a conjuntura internacional ajude, e não há certezas disso.

António Há 1 semana

Só hoje? O ECO já falava nisto ontem.

NOTCIA ECONLINE ONTEM 15h00 Há 1 semana

CHEGOU AQUI COM UM ATRASO DE 24 HORAS mas aquela a dizer que a DBRS ainda não subiu o RATING do MILENIUM BCP essa chegou AQUI antes do ECONLINE para o BOTAABAIXO BCP VOÇÊS estão SEMPRE Á FRENTE livra com AMIGOS ASSIM

pub