Bolsa Só Nasdaq escapa a repetir máximos em Nova Iorque

Só Nasdaq escapa a repetir máximos em Nova Iorque

Voltou a ser uma sessão de recordes em Wall Street, com a época de resultados a marcar a prestação de acções como a Johnson&Johnson.
Só Nasdaq escapa a repetir máximos em Nova Iorque
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 17 de outubro de 2017 às 21:04
Dois dos três principais índices bolsistas voltaram a renovar o valor histórico mais elevado na negociação nas praças norte-americanas, levando durante a sessão o industrial Dow Jones a quebrar a barreira dos 23.000 pontos pela primeira vez. 

A suportar as valorizações desta terça-feira, 17 de Outubro, estiveram ganhos de empresas como a Johnson&Johnson e da UnitedHealth, na sequência de resultados conhecidos hoje.

As valorizações colocaram o Dow Jones a fechar nos 22.997,44 pontos (uma subida de 0,18%) e o S&P 500 em 2.559,36 pontos, após um ganho de 0,07%. Na linha de água - embora com sinal menos - apenas o tecnológico Nasdaq, a ceder 0,01% para 6.623,66 pontos.

Os títulos da UnitedHealth dispararam 5,58% para 203,89 dólares depois de os lucros da empresa no trimestre terem superado as expectativas do mercado, enquanto a Johnson&Johnson subiu 3,5% para 140,79 dólares, supreendendo positivamente com os resultados líquidos apresentados (apesar da queda) e melhorando as previsões de lucro para os próximos meses.

A marcar a sessão esteve a apreciação da nota verde para máximos de mais uma semana, perante a especulação de que a próxima Reserva Federal - cuja escolha do futuro líder está para breve, apontando-se para o nome de John Taylor - acelerará o ritmo de subida dos juros na maior economia do mundo. 

"Taylor é visto como mais agressivo que Yellen, por isso sob a sua possível tutela o banco central poderá subir os juros de forma mais acelerada, o que poderá impulsionar o encanto do dólar," disse à Reuters Joe Manimbo, do Western Union Business Solutions.

Os investidores aguardam que intervenções esta semana de membros da Reserva Federal e a divulgação, esta quarta-feira, da leitura da actual situação económica contida no Livro Bege da Fed possam dar novas pistas para o ritmo de normalização da política monetária.

(Notícia actualizada às 21:15 com mais informação)



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar