Bolsa Sonae regista o maior ganho semanal desde Março

Sonae regista o maior ganho semanal desde Março

As acções da Sonae registaram a melhor semana desde Março, negociando em máximos de 2015. A “acção está barata”, mas está também a beneficiar de movimentos de reorganização de carteiras, bem como especulativos, explicam especialistas.
Sonae regista o maior ganho semanal desde Março
Paulo Duarte
Sara Antunes 08 de dezembro de 2017 às 17:26

As acções da Sonae fecharam a valer 1,093 euros, o que corresponde a uma subida de 6,74% no acumulado da semana. Este é mesmo o melhor desempenho da Sonae desde a semana terminada a 31 de Março (6,76%) e eleva para 25% o ganho desde o início deste ano. As acções da dona dos supermercados Continente chegaram a tocar nos 1,10 euros ainda esta sexta-feira, o que corresponde ao valor mais elevado desde Dezembro de 2015.

 

"Há vários factores" que podem justificar este comportamento recente das acções da Sonae SGPS, salientou ao Negócios o gestor de activos Rui Bárbara, do Banco Carregosa, em declarações feitas no dia 6 de Dezembro. O especialista enumera três factores que estarão a ser determinantes para a subida das acções nos últimos tempos.

 

Por um lado, "tem havido alguma reorganização sectorial na Europa" no que toca à aposta dos investidores. Que tentam assim apostar "em sectores que estavam mais para trás. E a Sonae inclui-se" neste lote.

 

Houve também um "efeito positivo sobre Portugal" oriundo da eleição de Mário Centeno para presidente do Eurogrupo. Este evento "mostra que Portugal está alinhado com a Europa e que o país não está para aventuras", o que levou a que algumas empresas "capitalizassem" com esta questão. A Sonae é uma delas, mas não será a única. Rui Bárbara dá outro exemplo de uma cotada que tem estado a beneficiar deste contexto: o BCP.

 

Além destas questões, "a Sonae estava barata. E continua a estar face ao valor dos seus activos", sublinhou o gestor. Rui Bárbara explica que tendo em conta o valor dos activos da empresa co-liderada por Paulo Azevedo e Ângelo Paupério, o valor justo da Sonae está entre o intervalo 1,30 e 1,50 euros por acção. "O negócio de retalho da Sonae é muito bom", salientou.

 

Estes são os três principais factores que explicam a subida recente das acções, segundo Rui Bábara.

 

Já Pedro Lino, administrador da Dif Broker, considerou que a subida esteve muito relacionada com um movimento especulativo. Em causa poderá estar a especulação em torno de uma reorganização dentro do grupo Sonae, após a morte de Belmiro de Azevedo, recordando que há uns anos a família Amorim distribuiu os negócios pelos filhos de Américo Amorim, com cada um a ficar com um ramo. Poderá "haver quem esteja a especular que possa acontecer o mesmo com o grupo Sonae".

 

Pedro Lino não foi o único a referir movimentos especulativos. Uma fonte do mercado referiu que há alguns rumores de que existia vontade de vender o maior activo da Sonae, o retalho, a um grande "player" após a morte de Belmiro de Azevedo. E esse rumor poderá estar a influenciar a negociação das acções.