Bolsa S&P 500 com maior série de perdas desde eleição de Trump

S&P 500 com maior série de perdas desde eleição de Trump

Os principais índices de Wall Street abriram a última sessão de Janeiro em queda, mas isso não os impede de se encaminharem para o terceiro mês consecutivo de ganhos. Trump, resultados e Fed condicionam apetite.
S&P 500 com maior série de perdas desde eleição de Trump
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 31 de janeiro de 2017 às 14:36

O mais transversal dos índices bolsistas de Nova Iorque iniciou esta terça-feira, 31 de Janeiro, em queda pela quarta sessão no que, a confirmar-se, será a série de perdas mais longa desde a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais dos EUA a 8 de Novembro.

O S&P 500 perdia 0,29% para 2.274,18 pontos, enquanto o industrial cedia pela terceira sessão, recuando 0,35% para 19.900,27 pontos. O tecnológico Nasdaq recuava 0,36% para 5.593,26 pontos, na segunda sessão negativa.

Ainda assim, os três principais índices encaminham-se para encerrar o terceiro mês consecutivo de ganhos, depois de nas últimas semanas terem renovado máximos históricos e de o industrial Dow Jones ter superado pela primeira vez os 20 mil pontos.

Os investidores digerem resultados trimestrais das empresas apresentados esta terça-feira, com a Exxon Mobile a ver os lucros do ano a recuar 51% (abaixo do esperado pelo mercado) e o último trimestre penalizado por imparidades de 2.000 milhões de dólares. Os títulos da energética recuam 0,11% para 84,72 dólares. Já a Apple, que cai 0,48% para 121,05 dólares, apresentará resultados logo mais, após o encerramento da sessão.

A pesar no apetite dos investidores estão ainda os desenvolvimentos de política externa da administração Trump, nomeadamente a proibição temporária de entrada de cidadãos de sete países de maioria muçulmana e a suspensão do programa de acolhimento de refugiados, a que se junta ainda a intenção de reforçar o investimento público e baixar impostos para os cidadãos e empresas.

Esta terça-feira arranca ainda a reunião de dois dias da Reserva Federal norte-americana, em que a política monetária e o ritmo de subidas de juros na maior economia do mundo estarão sobre a mesa, podendo também estar em discussão a política económica da administração Trump.

Minutos antes da abertura de Wall Street foram conhecidas notícias de crescimento no mercado imobiliário, com a avaliação das casas nas principais áreas metropolitanas a aumentar inesperadamente em Novembro, de acordo com o S&P Case Shiller Home Price Index.

Os mercados europeus seguiam com ganhos generalizados antes da abertura em Nova Iorque, depois de dados positivos do PIB de 2016, a queda do desemprego e o despontar da inflação.


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
investidor1 31.01.2017

https://goo.gl/forms/UTRRJmvQHDnvfxlG2

Obrigado!

Anónimo 31.01.2017

ALERTA: COFINA A AÇÃO DO MERCADO IBERICO COM MAIS POTENCIAL, SEGUNDO O BPI
BPI atribui target de 0,46 € à COFINA e diz ser a ação ibérica com menor PER
ler em: http://www.jornaldenegocios.pt/mercados/bolsa/research/detalhe/bpi-corta-avaliacao-a-oito-cotadas-nacionais-e-sobe-cinco-precos-alvo?

pub