Obrigações S&P baixa rating da Venezuela para 'default' selectivo

S&P baixa rating da Venezuela para 'default' selectivo

A agência de 'rating' Standard & Poor's (S&P) baixou hoje a classificação da Venezuela, a longo e curto prazo, em moeda estrangeira, de "CC/C", moratória com pequena expectativa de recuperação, para "SD/D", 'default' ou incumprimento selectivo.
S&P baixa rating da Venezuela para 'default' selectivo
Reuters
Lusa 14 de novembro de 2017 às 16:30
A medida, segundo a S&P, deve-se à falta de pagamento de 200 milhões de dólares (172,41 milhões de euros) de títulos globais, uma vez vencido o período de graça de 30 dias, o que poderá desencadear um incumprimento nos pagamentos da sua dívida externa, nos próximos três meses.

"Baixamos duas classificações a 'D' ('default') e baixamos a classificação da dívida soberana em moeda estrangeira a longo prazo para 'SD' (default parcial)", lê-se num comunicado da S&P.

Segundo a agência de 'rating', se o Governo venezuelano "remediar o 'default' nos pagamentos vencidos e continuar a realizar oportunamente outros pagamentos, antes de completar a operação de reestruturação da dívida, a classificação soberana dos títulos a longo prazo, em moeda estrangeira, será elevada para 'CC' (moratória com expectativa de recuperação)".

A queda na classificação ocorre depois de o Governo venezuelano convocar os detentores de títulos de dívida do Estado e da empresa estatal Petróleos da Venezuela SA (PDVSA), para uma reunião com o propósito de reestruturar e refinanciar a dívida.

Na reunião, realizada segunda-feira em Caracas, participaram uma centena de credores, segundo a imprensa venezuelana.

Teve uma duração de apenas 30 minutos e concluiu sem a apresentação de propostas de reestruturação e refinanciamento dos títulos de dívida venezuelanos e sem que os participantes tivessem tido a oportunidade de fazer perguntas.

Na reunião, o vice-Presidente da Venezuela, Tareck El Aissami, acusou o Escritório de Controlo de Ativos Estrangeiros (Ofac) do Departamento de Estado dos Estados Unidos de atuar como "um tribunal da inquisição", de bloquear e fazer um cerco financeiro ao seu país.

E, acrescentou o vice-Presidente venezuelano, "acabou com as poucas vias que ainda permitiam que a Venezuela se desenvolvesse amplamente no mercado financeiro internacional".

Tareck El Aissami, que também preside à Comissão Presidencial para renegociar os termos da dívida externa e da petrolífera venezuelana, insistiu que a reestruturação convocada pelo Presidente Nicolás Maduro, tinha como propósito superar as "agressões financeiras norte-americanas" e "garantir atenção social ao povo venezuelano".



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mandai a esquerdalha do Bloco para a Venezuela! Há 1 semana

A Catarina teatreira e a Mortágua filha de assaltante q coloquem os olhos na Venezuela! Era isto q as esganiçadas queriam para Portugal? Dar o calote e ver as prateleiras vazias!? Vão se curar e vão para a Venezuela aplicar as suas politicas da treta com o ódio visceral aos q têm algum dinheiro!

Saber mais e Alertas
pub