Mercados State Street reduz posição na EDP para 1,99%

State Street reduz posição na EDP para 1,99%

A gestora de investimentos norte-americana State Street Corporation diminuiu a sua participação na EDP, de 2% para 1,99%.
State Street reduz posição na EDP para 1,99%
Carla Pedro 30 de outubro de 2017 às 19:54

A State Street Corporation comunicou esta segunda-feira à EDP a alteração do título de imputação da sua participação qualificada, que era composta por 72.980.241 acções, representativas de 2% do capital social da EDP e de 2% dos respectivos direitos de voto, informou a eléctrica nacional em comunicado à CMVM.

 

No dia 20 de Outubro, a State Street Corporation comunicou à EDP a alteração do título de imputação da sua participação qualificada, tendo o total de acções detidas directamente pela norte-americana superado o patamar de 2% do capital social da EDP no dia 16 de Outubro de 2017.

 

Entretanto, a 23 de Outubro, a State Street informou sobre a redução da sua participação [que teve lugar a 18 de Outubro], sendo a mesma composta presentemente por 72.812.745 acções, representativas de 1,99% do capital social da EDP e 1,99% dos respectivos direitos de voto.

 

Quanto à identificação da cadeia de imputação, a State Street Corporation referiu que as entidades (por si controladas) são a State Street Global Advisors Inc, State Street Global Advisors Limited, State Street Global Advisors (Japan) Co., Ltd, State Street Global Advisors Australia Limited e State Street Global Advisors Asia Limited.

 

Na estrutura accionista da eléctrica liderada por António Mexia, há 10 accionistas com participação acima de 2%. O maior accionista é a chinesa China Three Gorges, com 21,35% do capital, seguida da Capital Group Companies com 12%.

 

A EDP encerrou a sessão bolsista desta segunda-feira a somar 0,26% para 3,032 euros por acção.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar