Bolsa Subida de 7% dos direitos não evita queda das acções do BCP

Subida de 7% dos direitos não evita queda das acções do BCP

Depois de terem disparado mais de 10% na última sessão, as acções do BCP fecharam o dia em terreno negativo, apesar da subida superior a 7% dos direitos de subscrição do aumento de capital.
Subida de 7% dos direitos não evita queda das acções do BCP
Miguel Baltazar/Negócios

Os direitos de subscrição do aumento de capital do BCP valorizaram esta segunda-feira, 23 de Janeiro, pela segunda sessão consecutiva, mas a subida não evitou a queda das acções do banco liderado por Nuno Amado.

Os direitos subiram 7,32% para 88 cêntimos, depois de terem chegado a escalar um máximo de 12,80% para 92,5 cêntimos durante a sessão.

Já as acções do BCP desceram 0,44% para 15,68 cêntimos, num dia em que chegaram a valorizar 4,63% para 16,48 cêntimos.

À cotação actual das acções corresponde um valor teórico dos direitos de 94,20 cêntimos. Já à cotação dos direitos (88 cêntimos), corresponde um valor teórico das acções de 15,27 cêntimos.

As acções estão ligeiramente mais caras do que o preço que resulta do valor em bolsa dos direitos, o que poderá colocar pressão adicional sobre os títulos.

 

Esta evolução acontece depois de, na última sessão (sexta-feira) as acções terem disparado 10,37% para 15,75 cêntimos e os direitos 28,12% para 82 cêntimos. Uma escalada que se justificou com a proibição pela CMVM da venda a descoberto das acções, e com o facto de a Fosun, para aumentar a posição dos 16,7% para os 30% pretendidos, ter de comprar direitos de subscrição em bolsa.

Os direitos negoceiam em bolsa até dia 30 de Janeiro, terminando a 2 de Fevereiro o período de exercício. Cada direito permite a compra de 15 acções, mediante o pagamento de 9,4 cêntimos por cada uma, no âmbito do aumento de capital de 1.332 milhões de euros.





A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 23.01.2017

A questão não é quem compra ou precisa de comprar... a questão é quantos milhões de direitos
de pequenos acionistas para serem vendidos pelo simples facto que não vão acompanhar o aumento de capital...

M 23.01.2017

O que os chineses estão a fazer já todos sabíamos. Ninguém arrocha é em adivinhar a intenção da Sonangol. Pelo que 1 EUR está sempre dependente desse GRD. Investidor

snpj 23.01.2017

Eu concordo com o investidor... Se ninguém vender abaixo de 1€, quero ver como vão fazer... É um bom exercício.

Investidor 23.01.2017

Ninguem sabe ou pode dizer a que cotação vão chegar os direitos. Se os detentores de direitos os continuarem a vender abaixo de 1€, claro que de 1€ não passam. Seria interessante fazer um teste amanhã. NINGUÉM vende abaixo de 1€. Os Fosuns não teriam alternativa senão pagar mais. Era giro de ver.

pub