Bolsa Talib Sheikh: "As acções não estão demasiado caras"
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Talib Sheikh: "As acções não estão demasiado caras"

Talib Sheikh é um dos gestores do JPMorgan Global Income Fund. Rejeita a ideia de que as acções estão demasiado caras e uma das apostas passa por títulos do sector financeiro, que poderá beneficiar com a normalização da política monetária.
Talib Sheikh: "As acções não estão  demasiado caras"
Rui Barroso 17 de outubro de 2017 às 07:05

Talib Sheikh é um dos gestores do JPMorgan Global Income Fund. Rejeita a ideia de que as acções estão demasiado caras e uma das apostas passa por títulos do sector financeiro, que poderá beneficiar com a normalizaç

)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado “Ser criativo” em tempo de Orçamento (1) Há 1 dia

Mais do que saber se as Ações estão ou não estão sobreavaliadas (em tal domínio, cada cabeça sua sentença), a preocupação fundamental deve ser a de não meter a cabeça na areia como o avestruz face aos riscos, mas reagir com a "criatividade" aconselhada pelo entrevistado.
As oportunidades não desapareceram na atual conjuntura, nem em qualidade nem em quantidade. Migraram sim para outros territórios pouco explorados. E é responsabilidade dos Profissionais dos fundos de investimento (e principalmente de quem os dirige numa perspetiva de servir os investidores e não de viver de um “tacho”), pôr qualidades de criatividade que estão noutros países a dar, ao serviço da causa nobre de estimular os Portugueses a poupar, oferecendo-lhes novos produtos (com expectativas de rendibilidade, sem escamoteamento de riscos e com comissões proporcionais ao trabalho tido), que os compensem devidamente da decisão de não consumirem agora, para mais tarde o poderem fazer com mais largueza e segurança.

comentários mais recentes
“Ser criativo” em tempo de Orçamento (2) Há 1 dia

Em todo Mundo o “tónico” de efeitos mais imediatos para estimular a poupança e dinamizar o investimento em Bolsa, é o estímulo fiscal.
Em tempo de discussão do Orçamento de Estado seria agora a hora de o sugerir, com a restrição à partida que não se traduzissem a prazo em perdas de receitas fiscais para o Estado.
Porque não oferecer aos investidores a possibilidade de construírem carteiras no âmbito das quais poderiam comprar e vender títulos obedecendo a requisitos mínimos de segurança e sem pagar anualmente mais-valias? Estas só seriam liquidadas, num ajuste final de contas com o Estado, ao tempo da passagem à reforma.
Poder-se-ia conjugar o melhor de 2 mundos: o investidor (poderia) ganhar porque atrasaria o pagamento das mais valias beneficiando com o crescimento exponencial do seu patrimônio;o Estado (poderia) ganhar porque aproveitaria também a seu favor a (possível) competência do investidor podendo vir a cobrar no final muito mais do que teria cobrado a conta-gotas anualmente.

“Ser criativo” em tempo de Orçamento (1) Há 1 dia

Mais do que saber se as Ações estão ou não estão sobreavaliadas (em tal domínio, cada cabeça sua sentença), a preocupação fundamental deve ser a de não meter a cabeça na areia como o avestruz face aos riscos, mas reagir com a "criatividade" aconselhada pelo entrevistado.
As oportunidades não desapareceram na atual conjuntura, nem em qualidade nem em quantidade. Migraram sim para outros territórios pouco explorados. E é responsabilidade dos Profissionais dos fundos de investimento (e principalmente de quem os dirige numa perspetiva de servir os investidores e não de viver de um “tacho”), pôr qualidades de criatividade que estão noutros países a dar, ao serviço da causa nobre de estimular os Portugueses a poupar, oferecendo-lhes novos produtos (com expectativas de rendibilidade, sem escamoteamento de riscos e com comissões proporcionais ao trabalho tido), que os compensem devidamente da decisão de não consumirem agora, para mais tarde o poderem fazer com mais largueza e segurança.

a nossa bolsa é uma grande TRUMP Há 1 dia


está tudo TROCADO a pharolita deveria estar a 0.25 e o MILENIUM BCP é que deveria de estar a 0.50 quem está FALIDA e INSOLVENTE é a pharolita QUEM está a NADAR em LUCROS é o MILENIUM BCP

TENHAM JUIZO COMPREM MILENIUM BCP Há 1 dia





VENDAM TUDO O QUE TÊM E GANHEM JUIZO COMPREM MILENIUM BCP E VENDAM SÓ PARA O ANO DEPOIS DOS RATINGS TEREM IDO TODOS AOS MÁXIMOS E DEPOIS DAS VARIAS SUBIDAS DE JUROS DO BCE que já vão começar este mês

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
Saber mais e Alertas
pub