Crédito Taxas implícitas no crédito à habitação fixam novo mínimo

Taxas implícitas no crédito à habitação fixam novo mínimo

As taxas implícitas continuam a baixar, nos contratos existentes e no novo crédito, tendo fixado um novo mínimo em Outubro.
Taxas implícitas no crédito à habitação fixam novo mínimo
Miguel Baltazar
Patrícia Abreu 22 de Novembro de 2016 às 11:16

As taxas implícitas no crédito à habitação mantiveram, em Outubro, a tendência de queda, com o índice a fixar um novo mínimo histórico. Já o valor das prestações estabilizou face a Setembro.

"Em Outubro, a taxa de juro implícita no crédito à habitação registou um decréscimo de 0,009 pontos base face ao observado no mês anterior, fixando-se em 1,038%", avança o Instituto Nacional de Estatísticas (INE). Já nos novos créditos, registados nos últimos três meses, a taxa de juro implícita baixou de 2,009% para 1,960%.

Ao contrário das taxas implícitas, o valor da prestação permaneceu inalterado face a Setembro. "O valor médio da prestação vencida para o conjunto dos contratos de crédito à habitação situou-se em 237 euros, valor idêntico ao observado em Setembro", adianta o INE.

"Nos contratos celebrados nos últimos 3 meses, o valor médio da prestação foi 298 euros (307 euros em Setembro)", diz a mesma fonte.

O montante de capital médio em dívida para a totalidade dos contratos de crédito à habitação diminuiu 31 euros em Outubro, para 51 638 euros.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub