Bolsa Tecnologias ofuscam petróleo e banca. Nasdaq e S&P 500 no vermelho

Tecnologias ofuscam petróleo e banca. Nasdaq e S&P 500 no vermelho

As bolsas norte-americanas abriram em ligeira alta mas terminaram mistas. O Dow Jones foi o único dos principais índices que se aguentou em terreno positivo, à conta sobretudo da banca e da energia. Já as tecnologias arrastaram o Nasdaq para uma queda superior a 1%.
Tecnologias ofuscam petróleo e banca. Nasdaq e S&P 500 no vermelho
Reuters
Carla Pedro 01 de Dezembro de 2016 às 21:18

As praças do outro lado do Atlântico registaram uma tendência mista, depois de ontem terem encerrado o mês de Novembro a marcar o primeiro ganho mensal em quatro. No caso do Dow Jones, foi mesmo o melhor mês desde Março (quanto ao S&P 500 e ao Nasdaq, registaram as subidas acumuladas mais expressivas desde Julho).

Os títulos ligados à energia, sobretudo ao petróleo, continuaram a destacar-se pela positiva, animados pela forte subida dos preços da matéria-prima depois de a OPEP ter decidido cortar a sua produção de crude em 1,2 milhões de barris por dia.

Em alta continuou também o sector da banca, sustentado pela expectativa de uma regulação menos dura por parte da Administração Trump.

No entanto, as tecnológicas voltaram às quedas e fizeram estragos, já que conseguiram ofuscar a euforia dos títulos petrolíferos e financeiros.

Apenas o Dow Jones conseguiu, assim, manter-se no verde, ao fechar a somar 0,36% para 19.192,07 pontos.

O Standard & Poor’s 500, em contrapartida, encerrou a ceder 0,40% para 2.191,08 pontos. Também o tecnológico Nasdaq Composite terminou em baixa, a cair 1,36% para 5.251,10 pontos.

As tecnologias têm vindo a ter um desempenho medíocre desde as eleições presidenciais de 8 de Novembro, que colocaram Donald Trump a caminho da Casa Branca para substituir Barack Obama a 20 de Janeiro do próximo ano.

 

As empresas deste ramo operam bastante fora de portas e estão receosas do impacto que poderão ter as políticas do novo presidente no que diz respeito ao comércio, já que este defende medidas proteccionistas e durante a campanha falou mesmo em reverter alguns acordos comerciais importantes já estabelecidos e em curso – tendo entretanto anunciado já que no seu primeiro dia em funções irá retirar os EUA da Parceria TransPacífico.

 

Na sessão desta quinta-feira, as tecnológicas foram também arrastadas pela informação de que a Apple começou a reduzir as encomendas aos seus fornecedores de iPhone7. A IBM e a Microsoft perderam também terreno, com recuos em torno de 1,5%.

(notícia actualizada às 22:31)




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub