Bolsa Tecnologias penalizam negociação em Wall Street

Tecnologias penalizam negociação em Wall Street

As bolsas norte-americanas encerraram em baixa, uma vez mais com as tecnologias a pressionarem a tendência. O movimento de vendas nas tecnológicas de elevada capitalização bolsista tem sido evidente, com a Apple a dar o mote às descidas devido à decepção em torno das encomendas do iPhone 8 na primeira semana após o lançamento.
Tecnologias penalizam negociação em Wall Street
Reuters
Carla Pedro 25 de setembro de 2017 às 21:13

As tecnologias continuam a castigar a negociação bolsista do outro lado do Atlântico, numa altura em que se intensifica o movimento de vendas, com a Apple a destacar-se pela negativa depois de serem reportados números inferiores ao esperado no que toca às vendas e pré-encomendas do iPhone8, isto numa altura em que se espera pelo iPhone x – que será comercializado a partir de Novembro a um preço de 999 dólares.

 

Assim, o índice tecnológico Nasdaq Composite foi o mais penalizado na sessão desta segunda-feira, tendo fechado a cair 0,88% para 6.370,59 pontos.

 

O Nasdaq 100, por seu lado, registou a descida mais acentuada das últimas cinco semanas, ao desvalorizar 1,10%, , com as FANG – Facebook, Amazon, Netflix e Google – a serem as que mais caem entre as empresas de elevada capitalização bolsista. Estas empresas são assim denominadas por serem as "quatro grandes" que este ano revelaram um aumento de valor astronómico.

 

Também o Standard & Poor’s 500 cedeu terreno, a recuar 0,22% para 2.496,66 pontos, seguido na tendência pelo Dow Jones – que fechou a perder 0,24% para 22.296,09 pontos.

 

Por outro lado, as tensões entre Pyongyang e Washington aliviaram um pouco durante o fim-de-semana, mas hoje voltou a sentir-se um clima mais crispado, o que suscitou mais receios junto dos investidores, que estão a optar por se distanciar mais das acções e apostar nos chamados valores-refúgio, como o ouro e o iene.

 

Esta segunda-feira, o ministro norte-coreano dos Negócios Estrangeiros, Ri Yong-Ho, acusou o presidente norte-americano Donald Trump de ter declarado guerra ao país e avisou que Pyongyang se reserva o direito de tomar contramedidas, incluindo abater os bombardeiros dos Estados Unidos, mesmo que não estejam no espaço aéreo da Coreia do Norte. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub