Bolsa Teixeira Duarte, Inapa e Sonae Indústria: fora do PSI-20 também há máximos

Teixeira Duarte, Inapa e Sonae Indústria: fora do PSI-20 também há máximos

Mesmo não estando integradas no principal índice português, as empresas de menor capitalização da bolsa lisboeta têm experimentado valores inéditos nos últimos anos. Teixeira Duarte, Inapa e Sonae Indústria valem tanto como em 2015.
Teixeira Duarte, Inapa e Sonae Indústria: fora do PSI-20 também há máximos
Reuters
Diogo Cavaleiro 01 de junho de 2017 às 18:11

O PSI-20 está em máximos de Dezembro de 2015, mas fora do principal índice da bolsa portuguesa os dias também têm sido positivos para as cotadas nacionais. A Sonae Indústria e a Teixeira Duarte estão em máximos superiores a um ano, tal como a Inapa. A Impresa, embora tenha recuado, tem estado em cotações inéditas desde 2016.

 

Acompanhando as considerações positivas sobre a economia portuguesa, ainda que sem reflexos na classificação de risco da dívida portuguesa, as cotadas portuguesas têm estado em alta. A bolsa nacional é mesmo a quarta que mais ganha no mundo. Nas empresas de menor capitalização, a tendência para variações expressivas é maior, tendo em conta a liquidez mais baixa e o facto de as cotações serem em cêntimos. 

 

Sonae Indústria em máximos de 2015

 

A Sonae Indústria é um exemplo. A empresa tocou hoje na cotação mais alta desde Outubro de 2015 nesta sessão. As acções subiram hoje 1,09% para valerem 0,93 cêntimos, ou 0,0093 euros. Houve uma forte troca de acções esta sessão, com o volume a aproximar-se dos 48 milhões de títulos negociados, quando a média diária é, no último semestre, de 15 milhões de acções a trocarem de mãos.

 

Esta evolução tem ocorrido num momento de mudanças na empresa de derivados de madeira, que concretizou uma redução de capital para cobrir prejuízos passados e irá, a 28 de Julho, proceder a um reagrupamento de acções – é aumentado o preço das acções, com a diminuição proporcional do número de acções representativa do capital social da empresa. Serão reagrupadas, nessa data, as 11,35 mil milhões de acções: 250 acções actualmente existentes serão fundidas e passarão a ser apenas uma.

 

Teixeira Duarte dispara

 

Mesmo na construção, fortemente castigada nos anos da austeridade em Portugal, está a haver máximos. A Teixeira Duarte tocou hoje nos 0,386 euros por acção, tendo fechado nos 0,369 euros, com uma valorização de 5,73%. Estes são preços não vistos desde Dezembro de 2015.

 

Esta semana, a companhia liderada por Pedro Teixeira Duarte apresentou prejuízos de 8,66 milhões de euros nos primeiros três meses do ano, reduzindo face às perdas de 22,46 milhões.

 

Antes disso, na segunda-feira, a Teixeira Duarte disparou 18%, sendo que, em todas as sessões desta semana, a troca de acções foi superior à média, sobretudo no primeiro dia da semana.



 

Inapa iguala valores de Setembro

 

A Inapa fechou esta quinta-feira a valer 0,138 euros, graças a um avanço de 3,76%. É a cotação de fecho mais elevada desde Setembro de 2016. Ainda assim, durante a sessão, a distribuidora de papel conseguiu tocar nos 0,144 euros, aquele que é o preço mais alto desde Outubro de 2015. Desde o início do ano, soma 24%.

 

Na sessão de hoje, o volume esteve em linha com a média, que se situa em 128 mil acções negociadas, ainda que na passada terça-feira, tenha sido trocados mais de 1,3 milhões de títulos representativos da Inapa.

 

Impresa com volume acima do habitual

 

A Impresa tem igualmente estado em alta, ainda que tenha hoje perdido terreno. A dona da SIC e do Expresso recuou 1,02% após três dias de ganhos em que valorizou 10%. A sociedade chegou a tocar, ontem, nos 0,304 euros. Não superava a fasquia desde Maio de 2016.

 

A empresa de media tem estado com uma troca de acções superior ao habitual, sobretudo desde o segundo trimestre deste ano. 







A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

Em Portugal julgam que competitividade é criar bónus para que os funcionários públicos não façam mal aquilo que já se faziam pagar, em muitos casos bem acima do preço de mercado, para fazerem bem.

comentários mais recentes
GLINTT Há 3 semanas

A nossa tecnológica GLINTT vai ser a próxima a disparar, estas 3 campeãs de prejuízos já subiram 60% e a GLINTT que dá lucro e já foi alvo de OPA nem mexe. Pode ser alvo de outra OPA da Farminvest. Hoje subiu mais de 3%.

Anónimo Há 3 semanas

A dívida pública nacional na óptica que conta para Bruxelas aumentou quase 4 mil milhões de euros num mês e atingiu um novo recorde.

Anónimo Há 3 semanas

Em Portugal julgam que competitividade é criar bónus para que os funcionários públicos não façam mal aquilo que já se faziam pagar, em muitos casos bem acima do preço de mercado, para fazerem bem.

pub
pub
pub
pub