Obrigações Juros mínimos na emissão a cinco anos e abaixo de 3% nos títulos a dez anos

Juros mínimos na emissão a cinco anos e abaixo de 3% nos títulos a dez anos

O Tesouro financiou-se em 1.250 milhões de euros a cinco e a dez anos. Na maturidade mais curta foi a taxa mais baixa desde pelo menos 2006. No prazo a dez anos os juros ficaram em mínimos de Novembro de 2015.
Juros mínimos na emissão a cinco anos e abaixo de 3% nos títulos a dez anos
Bruno Simão
Rui Barroso 14 de junho de 2017 às 10:49

Foi o leilão de dívida com menores custos dos últimos anos. O Tesouro foi ao mercado e colocou o montante máximo pretendido: 1.250 milhões de euros em títulos a cinco e a dez anos. Na maturidade mais curta, a taxa da operação foi de 1,198%, a mais baixa desde, pelo menos 2006, data dos últimos dados disponibilizados pelo IGCP. Já nas Obrigações do Tesouro (OT) a dez anos, o juro foi de 2,851%, o mais baixo desde Novembro de 2015. Isto dias antes da Fitch se manifestar sobre o "rating".

 

Os juros pedidos pelos investidores tiveram quedas significativas face a operações anteriores. No prazo a cinco anos, Portugal tinha pago, no passado mês de Maio, 1,828%. Nessa altura a agência que gere o crédito público também emitiu a dez anos, com a taxa a ficar em 3,386%. Neste prazo, num mês, Portugal poupa quase meio ponto percentual para se financiar.


Nas OT a cinco anos, além dos juros mais baixos a procura também aumentou. Triplicou o montante em oferta. No mês passado, esse indicador tinha sido do dobro do montante a emitir. Já no prazo a dez anos, a procura ficou em linha com a emissão de Maio.

"Atribuo esta descida dos juros a toda uma série de factores, incluindo as compras do BCE, mas acho que uma boa parte se deve ao reconhecimento, por parte dos investidores, dos bons dados económicos divulgados recentemente sobre Portugal. Claramente emitimos abaixo do custo médio da dívida portuguesa e por se tratar de dívida de longo prazo esse facto beneficia os encargos do país", referiu Filipe Silva director da gestão de activos do Banco Carregosa, numa nota enviada às redacções. 

 

Com esta operação o Estado aumenta para 9.550 milhões de euros o montante colocado em Obrigações do Tesouro (OT), quase 65% do valor pretendido para o total do ano. O valor angariado no duplo leilão deverá servir já para assegurar necessidades de financiamento de 2018.

 

Numa nota feita a investidores, em Maio, a agência liderada por Cristina Casalinho referia que "as próximas emissões servirão para sustentar a confortável posição de liquidez e para pré-financiar as necessidade de financiamento de 2018", referia o documento. O IGCP pretende chegar ao final de 2017 com uma almofada de liquidez de 7.100 milhões de euros.


(Notícia actualizada às 12:02)




A sua opinião19
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 14.06.2017

Juros mínimos na emissão a cinco anos e abaixo de 3% nos títulos a dez anos

ENTÃO Ó PASSOS, ESTÁS A GOSTAR?
EU TAMBÉM!
E OS CAMILOS LOURENÇOA AQUI DO JN, GOSTAM?

comentários mais recentes
Anónimo 14.06.2017

No momento que estou a ler esta notícia, estou a acompanhar o debate na AR, e sinceramente, não tenho nada, mesmo, a ver com o PS, mas Ler esta notícia, Olhar para o País de hoje é ouvir os PSD e CDS, Revolta, não sei se a estratégia é boa, Duvido.

Anónimo 14.06.2017

O que o "único Anónimo que se pode votar" quer dizer é que ele acha que para o próximo ano vai acontecer outra vez (como em 2008) a maior crise mundial dos últimos 100 anos. É a Maya disfarçada de Anónimos dos excedentários!!! ROTFLLLL HAHAHAHAHAHAHAHA

Alexandre Policarpo 14.06.2017

Muito bem. Parabéns a António Costa o melhor PM de sempre de Portugal.

Anónimo 14.06.2017

Oh CRÓNICO COMENTADOR MAIS VOTADO!
Só parece igual a 2007 em algumas coisas. No resto, não tem nada a ver.
Vou ficar por aqui à espera, para ver até quando vais aguentar sem fugir, quando vires que não vais acertar em nada. Vou assistir aqui da bancada ao falhanço estrondoso das tuas profecias.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub