Obrigações Tesouro pede até 1.250 milhões emprestados em títulos de curto prazo

Tesouro pede até 1.250 milhões emprestados em títulos de curto prazo

Os leilões da próxima quarta-feira são os penúltimos previstos para este ano no plano de financiamento do IGCP e os primeiros realizados depois da entrega do Orçamento do Estado no Parlamento.
Tesouro pede até 1.250 milhões emprestados em títulos de curto prazo
Pedro Elias
Paulo Zacarias Gomes 13 de outubro de 2017 às 16:21
A instituição que gere a dívida do Estado leva a cabo na próxima quarta-feira, 18 de Outubro, dois leilões de títulos de curto prazo onde espera levantar entre 1.000 e 1.250 milhões de euros.

Em causa, de acordo com o comunicado enviado pelo IGCP - Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública, estão emissões de linhas com maturidades de três meses (vencimento em 19 de Janeiro de 2018) e 11 meses (21 de Setembro do ano que vem).

Será a primeira ida ao mercado depois da apresentação do Orçamento do Estado para 2018, que deverá ser entregue esta sexta-feira no Parlamento.

Nas operações mais recentes realizadas nestas maturidades o Tesouro português colocou um total de 1.000 milhões de euros a custo mínimo recorde, com taxas negativas. Foi a 16 de Agosto passado, quando levantou 750 milhões de euros no prazo a 11 meses, pagando um juro de -0,291%; e 250 milhões de euros com maturidade de três meses e um juro de -0,348%.

A operação da próxima quarta-feira já estava prevista no programa de financiamento para o último trimestre do ano, dizendo respeito à reabertura das duas linhas existentes. Até ao final do ano o IGCP deverá voltar a emitir títulos de curto prazo uma vez mais, a 15 de Novembro.

Esta semana Portugal levantou 1.250 milhões de euros numa operação de longo prazo, em títulos a cinco e dez anos, a que ficou associada uma nova descida dos custos de financiamento. Com esta colocação - a primeira depois da subida de rating por parte da Standard & Poor's - faltava angariar menos de 2 mil milhões de euros para atingir a meta de financiamento prevista para o total do ano.



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp 13.10.2017

Dizia ha dias um jornalsta deste jornal:a casalinho so vai duas vezes ao mercado este ano.Uma foi ontem,para a semana repete,estamos a 2,5 meses do fim do ano,quero ver o folgo.

General Ciresp 13.10.2017

Sera esta pergunta descabida?A que se vai agarrar o proximo governo se este deixa tudo penhurado?

carlos 13.10.2017

Tanto dinheiro a juros negativos para os esquerdistas e o costinha esbanjarem .... os portugueses andam todos contentes ..... divida para pagar? Que se lixe , os nossos filhos pagarao , viverao na miséria etc QUE SE LIXE! Muito burros sao os jovens portugueses em aceitarem tudo isto , ANJINHOS!!!

Saber mais e Alertas
pub