Obrigações Tesouro volta quarta-feira aos mercados para leilões de curto prazo

Tesouro volta quarta-feira aos mercados para leilões de curto prazo

O IGCP volta esta quarta-feira, 15 de Fevereiro, aos mercados, para uma emissão de dívida de curto prazo onde espera levantar até 1.250 milhões de euros, mais que o anteriormente previsto.
Tesouro volta quarta-feira aos mercados para leilões de curto prazo
Bruno Simão
Paulo Zacarias Gomes 10 de fevereiro de 2017 às 16:40

Uma semana depois das emissões de obrigações onde levantou 1.180 milhões de euros pagando mais que nas operações comparáveis, o Tesouro português regressa aos mercados, desta vez para dois leilões de curto prazo – a três e 11 meses.

De acordo com um comunicado enviado pelo IGCP - Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública, a instituição que gere a dívida soberana, espera-se arrecadar entre 1.000 e 1.250 milhões de euros, um valor acima do inicialmente previsto – que apontava para entre 750 milhões a 1.000 milhões de euros.


Os bilhetes do Tesouro a que respeitam estes dois leilões vencem em 19 de Maio de 2017 e 19 de Janeiro de 2018. Em ambos os casos, trata-se de reabertura de linhas já existentes.

Nos últimos leilões comparáveis realizados, a 19 de Outubro, o Tesouro colocou o montante máximo pretendido - 1.250 milhões de euros - com juros negativos na maturidade mais curta (-0,012%) e juros de 0,06% no prazo a 11 meses.

Já nas últimas operações de financiamento de curto prazo realizadas - no caso, nas maturidades a 6 e 12 meses -, a 18 de Janeiro passado, Portugal conseguiu taxas historicamente negativas, aproveitando na altura as condições de mercado favoráveis.

O plano de financiamento do IGCP, no que diz respeito ao primeiro trimestre de 2017 e aos leilões de bilhetes do Tesouro, apontava para arrecadar, no total, entre 3.250 e 4.000 milhões de euros nas três operações previstas. 

(Notícia actualizada às 16:57 com mais informação)


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
antonimo 10.02.2017

Sr Surpreso, a quem se refere que tenha perdido a credibilidade? ao suposto dono do inferno que manda nos diabos que nunca mais chegam? Ora se já nem manda nos diabos, e se enquanto esteve a alimentar a fogueira do pote, só fez asneiras que estava sempre a retificar, se é esse, estamos conversados

surpreso 10.02.2017

Sustentar a dívida com o cartão de crédito,como habitual ,dos que perderam credibilidade

pub
pub
pub
pub