Bolsa Transporta e alienação de imóveis animam CTT

Transporta e alienação de imóveis animam CTT

As acções dos CTT subiram mais de 1% esta sexta-feira, e chegaram mesmo a negociar em máximos de Setembro, depois de revelada a intenção de comprar a Transporta e a alienação de imóveis em Lisboa.
Transporta e alienação de imóveis animam CTT
Nuno Carregueiro 16 de Dezembro de 2016 às 17:29

As acções dos CTT completaram esta sexta-feira, 16 de Dezembro, a segunda sessão consecutiva de ganhos, a beneficiar das duas novidades ontem anunciadas pela empresa de correios, que os analistas consideram ter impacto positivo.

 

Os títulos ganharam 1,22% para 6,295 euros, depois de terem chegado a subir um máximo de 3,7% para 6,449 euros, o valor mais elevado desde 13 de Setembro.

A empresa liderada por Francisco Lacerda alienou imóveis situados em Lisboa por um montante total de 25 milhões de euros e anunciou que pretende comprar uma empresa de transportes.  
 

  

A venda de imóveis, num lote onde se inclui a antiga sede da empresa de correios, vai gerar um encaixe de 25 milhões de euros, o que representa uma mais-valia de 16 milhões de euros. Um valor que os analistas do BPI calculam representar 9 cêntimos por acção, ou seja, um impacto positivo de 1,5% face à cotação de fecho de ontem.

 

Esta venda de imóveis, que decorre da actual "política de alienação de activos não estratégicos" dos CTT, é vista com bons olhos pelos analistas do CaixaBI. "Entendemos que se trata de uma notícia positiva, por traduzir a capacidade dos CTT em monetizar um activo não estratégico", refere o analista Artur Amaro, na nota a clientes enviada esta sexta-feira, 16 de Dezembro.

 

Acrescenta que "os CTT mantêm a intenção de continuar a optimizar o seu balanço nos próximos trimestres", tendo "outras medidas adicionais em análise", entre elas "a possibilidade de transferir as responsabilidades com os cuidados de saúde pós-emprego para um fundo.

 

Sobre a intenção de comprar a Transporta – transportes Porta a Porta, por 1,5 milhões de euros, o CaixaBI refere que a "operação não deverá traduzir um impacto material no curto prazo para a empresa", estando alinhada com a mensagem da empresa para o negócio de "Expresso & Encomendas", onde os CTT querem "capturar a tendência de crescimento".

 

O CaixaBI assinala que este segmento tem permanecido com dificuldades durante o exercício de 2016, com as receitas a descerem 8,3% para 88,1 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano. "Este desempenho deveu-se de forma significativa à perda de clientes de maior dimensão, particularmente em Espanha" e "a actividade em Portugal foi influenciada pelo facto de terem perdido um importante cliente", refere Artur Amaro.

 

O CaixaBI tem um preço-alvo de 8,20 euros para os CTT, com uma recomendação de "comprar". O BPI tem a cotada sob revisão. 

 

As acções dos CTT descem 28,9% desde o início do ano. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 dias

tretas meus amigos, vender activos, soa a qualquer coisa. Banco ctt, vai arruinar esta Empresa, podera dar dividendos razoaveis. mas e uma ilusao, acoes 5.80 euros muito r, breve.

pub