Mercados Um em cada 10 portugueses guarda o dinheiro em casa

Um em cada 10 portugueses guarda o dinheiro em casa

O segundo Inquérito à Literacia Financeira da população portuguesa destaca a reduzida pró-actividade na escolha dos produtos para a aplicação do aforro.
Um em cada 10 portugueses guarda o dinheiro em casa
Bloomberg
Raquel Godinho 23 de Outubro de 2016 às 19:00
Os portugueses têm vindo a poupar mais, revela o segundo Inquérito à Literacia Financeira da população portuguesa, publicado esta sexta-feira. Ainda assim, é destacada a reduzida pró-actividade na escolha dos produtos para a aplicação do aforro. Um em cada dez portugueses que poupa guarda o dinheiro em casa, numa altura em que a remuneração oferecida pelas instituições financeiras é cada vez menor.

O inquérito, realizado pela Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões, o Banco de Portugal e a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), destaca a "pouca pró-actividade na aplicação da poupança, uma vez que 60,8% dos que poupam afirmam deixar o dinheiro na conta de depósito à ordem e 14,5% referem guardar o dinheiro em casa".  Além disso, 34,3% afirma colocar o dinheiro numa conta de poupança e 3,9% aplica em produtos de investimento, adianta o inquérito feito a 1.100 pessoas entre Maio e Junho de 2015.

Estas opções de poupança surgem num contexto em que a remuneração praticada pelas instituições financeiras está em mínimos históricos. A taxa de juro oferecida nos novos depósitos a prazo atingiu, em Agosto, os 0,38%, o valor mais baixo de sempre, segundo dados do Banco Central Europeu (BCE).

Ainda assim, os consumidores portugueses poupam mais do que em 2010. 59% dos portugueses assume comportamentos de poupança. Uma percentagem que supera os 52% registados no inquérito anterior. Mas apenas 30,3% diz poupar com regularidade. Entre aqueles que não poupam, 87,8% referem que o rendimento não o permite, enquanto 9,1% afirmam não ser prioritário.

Quase 45% dos inquiridos que poupam, dizem ter como principal objectivo fazer face a despesas imprevistas, enquanto 23,9% procuram cobrir despesas futuras não regulares e 20,8% poupam para a aquisição ou substituição de bens duradouros.



A sua opinião23
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Carlos Há 1 semana

Já alguém se deu ao trabalho de fazer as contas a quanto dinheiro é preciso ter a prazo para pagar os devaneios das comissões destes assaltantes?
Com a taxa de juro acima, para pagar comissões de 19 Euros do visa Eletron teria que ter a prazo 5000 euros.
Isso não é furto, é assalto!

Anónimo Há 1 semana

Um em cada 10 portugueses guarda o dinheiro em casa

E SE TIVESSEM JUIZO, SERIAM 9 EM CADA DEZ!

Anónimo Há 2 semanas

PORQUÊ? Porque não tem confiança nos bancos e tem medo de ficar sem ele. Embora não devam ficar com ele em casa, em caso de assalto violento ficam sem ele na mesma. Nos bancos eles roubam mas não agridem. ROUBAM PELA CALADA E AINDA NÂO VÂO PRESOS Ao contrario dos bandidos se forem apanhados são pre

Carlos Silva Há 2 semanas

Pois! Com os bancos a cobrarem se forem eles a guardarem-no e a ficarem cada vez mais caros. O que é que se pode esperar?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub