Bolsa "Utilities" ofuscam queda da banca em Wall Street

"Utilities" ofuscam queda da banca em Wall Street

As principais bolsas norte-americanas encerraram em alta, mas sem grandes oscilações, à semelhança do que tem acontecido nas últimas jornadas. Apesar de a época de apresentação dos resultados estar a ser uma das melhores desde a crise financeira, as incertezas em torno dos efeitos das medidas de Trump continuam a pesar e a convidar à prudência.
"Utilities" ofuscam queda da banca em Wall Street
Reuters
Carla Pedro 08 de fevereiro de 2017 às 21:44

O índice industrial Dow Jones somou esta quarta-feira 0,18% no fecho, para 20.054,34 pontos, depois de ontem ter chegado a marcar um novo máximo de sempre na negociação intradiária, nos 20.155,35 pontos.

 

Por seu lado, o Standard & Poor’s 500 avançou 0,07% para se estabelecer nos 2.294,67 pontos – sem conseguir ainda superar o seu máximo histórico, estabelecido a 26 de Janeiro.

 

Já o índice tecnológico Nasdaq Composite terminou a ganhar 0,15%, para 5.682,45 pontos, depois de a meio da sessão de ontem ter chegado a alcançar um recorde nos 5.689,60 pontos.

 

Apesar de a actual época de apresentação de resultados das empresas estar a ser uma das melhores desde a crise financeira, os investidores mantêm-se cautelosos, à espera de sinais mais claros sobre as políticas de promoção do crescimento da economia norte-americana que o presidente Donald Trump prometeu levar a cabo – e também devido aos riscos políticos na Europa com a aproximação de eleições importantes.

 

Com efeito, a incerteza macroeconómica convida a uma aposta em activos de maior segurança, os chamados activos-refúgio, como o ouro as Obrigações do Tesouro norte-americanas.

 

Os títulos da energia recuperaram da queda de ontem, à conta de uma retoma dos preços do petróleo depois do anúncio de uma queda inesperada das reservas norte-americanas de gasolina.

 

A acompanhar este movimento positivo estiveram as "utilities" (água, gás e electricidade), que acabaram por compensar as perdas no sector financeiro – que cedeu, agregadamente, 0,49%, com 49 das 63 cotadas deste grupo a perderem terreno na sessão de hoje.

 

Numa altura em que mais de metade das empresas listadas no S&P 500 já apresentou as suas contas, o saldo é positivo: cerca de 75% superaram as estimativas para os lucros e perto de 50% registaram vendas acima do esperado, de acordo com os dados compilados pela Bloomberg.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub