Matérias-Primas W Resources com mais dois anos para explorar volfrâmio em Tarouca

W Resources com mais dois anos para explorar volfrâmio em Tarouca

A empresa que cota em Londres anunciou que assinou com o Estado um contrato de exploração por dois anos, válido até 23 de Março de 2019. Operação tem o potencial de melhorar e expandir a da Régua, também detida pela W Resources, defende a companhia.
W Resources com mais dois anos para explorar volfrâmio em Tarouca
DR
Paulo Zacarias Gomes 20 de setembro de 2017 às 12:38

A W Resources, que desde 2012 tem atribuída uma licença de prospecção de volfrâmio na zona de Tarouca, Viseu, anunciou que obteve junto do Estado uma extensão da licença para exploração no local por mais dois anos.

Em comunicado enviado às redacções, a empresa refere que a aprovação do pedido de alargamento da licença, até 23 de Março de 2019, foi obtido junto do Ministério da Economia.

Ao longo deste período de dois anos, a W Resources refere que consolidará os programas de exploração realizados até ao momento através de uma nova campanha de perfurações, com 15 locais de sondagem através da técnica de reverse circulation drilling (trituração da rocha por compressão e extracção do material até à superfície).

Naquela concessão, a empresa refere ter obtido em 2015 um elevado grau de concentração de volfrâmio em 15 de 126 amostras com teor superior a 0,5% daquele mineral.

"Embora o foco de desenvolvimento esteja em La Parrilla em Espanha e na Régua em Portugal, a campanha de perfurações em Tarouca ajudar-nos-á a delinear melhor o recurso com o objectivo de aumentar o recurso global de volfrâmio e a base de produção. Tarouca está a 20 quilómetros da Régua e tem o potencial de melhorar e expandir a operação na Régua," afirmou Michael Masterman, presidente da W Resources.

A licença de prospecção de Tarouca foi originalmente concedida em 23 de Março de 2012, através de assinatura de contrato entre o, englobando os concelhos de Castro Daire, Lamego, Vila Nova de Paiva e Tarouca, ocupando uma área de 48 quilómetros quadrados para a pesquisa de recursos de volfrâmio, estanho, ouro, cobre e minerais acessórios.

Com um período inicial de vigência de dois anos, a licença era prorrogável por um ano, no máximo de 3 vezes (cinco anos no total, o que estendia a validade potencial até 23 de Março de 2017).

Inicialmente, a licença foi concedida com o número de cadastro MNPP00712 à Iberian Resources Portugal Recursos Minerais Unipessoal, detida a 100% pela Australian Iron Ore. Em 25 de Maio de 2012 a Australian Iron Ore foi comprada pela Caspian Holdings, que veio em 11 de Julho desse ano a tornar-se na W Resources.

Em Portugal a W Resources está presente em Armamar (volfrâmio), no distrito de Portalegre (licença de exploração de ouro), Tarouca (volfrâmio e estanho) e Monforte-Tinoca (cobre, ouro, estanho e volfrâmio), de acordo com informações no site da empresa.

Em La Parrilla (Cáceres-Badajoz), onde tem actividade mineira iniciada em Setembro do ano passado, produz trióxido de tungsténio e estanho.

O volfrâmio tem aplicações como endurecedor de metais, fabrico de filamentos de lâmpadas, ligas densas ou catalisadores cerâmicos.

As acções da W Resources recuam 4,64% para 0,420 pence em Londres.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Camponio da beira Há 3 dias

Não façam como o retardado que criou duzentos administrativos numas minas e sem nenhum operario...

pub