Bolsa Wall Street abre a marcar novos recordes. Facebook cai 4%

Wall Street abre a marcar novos recordes. Facebook cai 4%

Os principais índices bolsistas dos EUA abriram em alta, invertendo a tendência da pré-abertura, quando reagiram em baixa ao anúncio de que os preços no consumidor registaram em Dezembro o maior aumento em 11 meses, o que intensificou a expectativa de uma aproximação da inflação à meta de 2% delineada pela Fed.
Wall Street abre a marcar novos recordes. Facebook cai 4%
Reuters
Carla Pedro 12 de janeiro de 2018 às 14:43

O Dow Jones abriu a sessão desta sexta-feira a ganhar 0,42%, para se fixar nos 25.682,77 pontos, tendo já chegado nos primeiros minutos de negociação a estabelecer um novo máximo de sempre, nos 25.690,13 pontos.

 

Já o Standard & Poor’s 500 segue a somar 0,19% para 2.772,73 pontos, o que também constitui um novo máximo histórico.

 

Por seu lado, o tecnológico Nasdaq Composite avança 0,09% para 7.217,35 pontos, o que é também um máximo de sempre.

 

Os dados robustos do índice de preços no consumidor, que teve no mês passado a maior subida em 11 meses, reforçam a expectativa de que a inflação nos EUA possa atingir a meta de 2% definida pela Reserva Federal norte-americana – levando também a uma prossecução da política de subida de juros.

 

E a primeira reacção das bolsas do outro lado do Atlântico foi de queda ligeira, mas rapidamente inverteram novamente para terreno positivo.

 

Em destaque pela negativa estão os títulos do Facebook, que seguem a perder 4,27% para 179,94 dólares.

 

O mercado não gostou das novidades do CEO e fundador da célebre rede social, Mark Zuckerberg, que anunciou alterações no feed de notícias daquela plataforma e que passam por dar prioridade a que surjam as partilhas de amigos e familiares, ao mesmo tempo que se diminui o volume de conteúdo não-publicitário por parte de editoras e marcas. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar