Bolsa Wall Street afasta-se de máximos com petróleo em mínimos de sete meses

Wall Street afasta-se de máximos com petróleo em mínimos de sete meses

Depois dos recordes de fecho e intradiários verificados na última sessão, as principais praças dos Estados Unidos começaram o dia a negociar no vermelho, numa altura em que a queda do preço do petróleo para mínimos de sete meses está a pressionar.
Wall Street afasta-se de máximos com petróleo em mínimos de sete meses
David Santiago 20 de junho de 2017 às 14:35

O índice Dow Jones abriu a sessão desta terça-feira, 20 de Junho, a ceder 0,06% para 21.515,13 pontos, seguido pelo Standard & Poor’s 500 a perder 0,24% para 2.447,47 pontos, e pelo Nasdaq Composite a recuar 0,14% para 6.230,25 pontos. Depois de o Dow Jones e o S&P 500 terem registados novos máximos de sempre durante a sessão e também no fecho da mesma, com o Nasdaq Composite a fechar também próximo de um novo recorde, Wall Street está esta terça-feira a aliviar face aos ganhos alcançados na segunda-feira.

 

A marcar este início de sessão está a acentuada desvalorização do preço do petróleo, que transacciona em mínimos de sete meses, acumulando já uma desvalorização próxima de 20%, tanto em Londres como em Nova Iorque. Na capital inglesa, o Brent do Mar do Norte está agora a desvalorizar 2,26% para 45,85 dólares por barril, enquanto na cidade norte-americana o West Texas Intermediate (WTI) segue a perder 2,51% para 43,09 dólares.

Uma vez mais é a incapacidade da organização dos países exportadores de petróleo (OPEP) para promover a revalorização da matéria-prima que está a contribuir para a queda do preço do crude.

 

Principalmente depois de esta terça-feira a Líbia, cuja produção vem sendo bastante penalizada pela instabilidade política que se vive no país, ter anunciado que chegou a acordo com a Wintershall para retomar a produção em pelo menos dois dos campos petrolíferos líbios, o que poderá potenciar a produção petrolífera líbia para máximos de quatro anos.

Também a centrar as atenções dos investidores estão as declarações feitas esta terça-feira por Eric Rosengren, presidente da Fed de Boston, que sustentou que a era de baixas taxas de juros nos Estados Unidos, bem como noutras regiões, coloca em causa a estabilidade financeira. Na semana passada, a Reserva Federal voltou a aumentar os juros na maior economia mundial.


Entre as cotadas que mais pressionam estão as petrolíferas, com a Whiting Petroleum a perder 5,87% para 5,5161 dólares, a Chevron a recuar 1,18% para 106,193 dólares e a Exxon a resvalar 0,62% para 82,25 dólares.


(Notícia actualizada às 14:49)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
sr da glint eu desisto 20.06.2017

DESISTI

GLINTT 20.06.2017

A nossa tecnológica GLINTT vai ser a próxima a duplicar, as campeãs de prejuízos já subiram 120% e a GLINTT que dá lucro e já foi alvo de OPA subiu 23%. Pode ser alvo de outra OPA da Farminveste para a tirar da Bolsa. Mas deviam agora pagar 1€ cada acção. Já valeu 5€ em 2004.

pub